WASHINGTON DC, 22 Ago. 16 / 05:00 pm (ACI).- O jornal americano ‘The New York Times’ (NYT) entrevistou a ex-ginasta olímpica americana Dominique Dawes, que assegurou que se pudesse jantar com alguma pessoa já falecida essa seria a Madre Angélica, fundadora da Eternal Word Television Network (EWTN).

 

“Se pudesse escolher jantar com alguém que já faleceu, eu escolheria a Madre Angélica. Convidaria a religiosa à minha casa e se sentaria na cabeceira da mesa, ao lado do meu esposo e das minhas duas filhas”, disse a atleta.

Dominique Dawes, mais conhecida como “a impressionante Dawes”, foi a primeira ginasta artística afroamericana que ganhou uma medalha individual e participou de três jogos olímpicos (Barcelona 92, Atlanta 96 e Sidney 2002), ganhando uma medalha de ouro e três de bronze.

Em dezembro de 2012, Dawes ficou noiva do professor de uma escola católica Jeff Thompson, converteu-se ao catolicismo e se casaram no dia 25 de maio de 2013.

“O jantar que prepararia para ela seria alimento para a alma, a comida seria chouriço de porco ou outro animal, couve, sêmola de queijo e batatas fritas. A Madre Angélica entenderia perfeitamente a escolha deste jantar: foi criada junto com os negros e italianos no bairro de Canton em Ohio (Estados Unidos). Ela conhecia as pessoas, compreendia as difíceis situações que passavam, era um deles! Também sabia como se recuperar, sobretudo porque foi criada por uma jovem mãe solteira depois que seu pai as abandonou”, relatou.

Rita Rizzo – nome dado pelos pais à Madre Angélica – nasceu em 20 de abril de 1923. Sua vida esteve marcada por muitas provações, como o divórcio de seus pais quando tinha seis anos e a situação de pobreza que enfrentou junto com a sua mãe.

Dawes assegurou que depois do jantar lhe pediria uma bênção e perguntaria algumas coisas sobre a vida dela e sobre sua fortaleza.

“Um sacerdote me disse uma vez que é muito difícil ter uma relação com o Pai Celestial depois que seu pai terrestre tenha te abandonado. Normalmente me pergunto como superou este abandono? Aprendeu a perdoar o seu pai e, finalmente, confiar em Deus? ”

A ginasta admitiu ser naturalmente introvertida e a participação diante de milhões de pessoas durante os Jogos Olímpicos lhe causava ansiedade. Não compreende como a Madre Angélica se destacou como apresentadora de televisão.

“Ela era uma religiosa de clausura, viveu em um convento, entretanto, foi vista por centenas de milhões de pessoas em todo mundo como protagonista de uma série da EWTN. Como era capaz de abraçar ambas as vocações tão opostas? ”

Em seguida, acrescentou que durante o jantar estaria “fascinada” para compreender como a Madre Angélica canalizou a sua própria dor para um propósito maior.

“Eu perguntaria para ela como poderia ajudar os outros, os que sofrem de ansiedade, depressão, de algum vício, doenças físicas ou a dor do abandono ou do divórcio. Toda sua vida, depois de tudo, dedicou-se a ajudar os outros, especialmente os marginalizados”.

“Madre Angélica, como podemos aqui na terra imitar o que você fez, inclusive de uma maneira menor, oferecendo ajuda aos outros em um mundo que necessita tão desesperadamente?”, concluiu Dawes.

A entrevista foi realizada para uma série de publicações chamada Breaking Bread (Partindo o Pão) de NYT e cujo tema é: “Se pudesse jantar com uma pessoa que já não está conosco e cujo obituário foi publicado no ‘The New York Times’, quem seria essa pessoa e por quê?”.