É o efeito de uma ofensiva dos terroristas islâmicos no estado de Borno, que alarga seu auto proclamado “califado”

 

Roma, 09 de Janeiro de 2015 (Zenit.org) Redacao

Uma carnificina de dimensões impressionantes realizada pelos terroristas do Boko Haram, nas últimas horas na Nigéria, como resultado de uma ofensiva contra a cidade do norte de Baqa e outros 16 vilarejos vizinhos, no estado de Borno. Os mortos seriam cerca de 2.000, assassinados por milicianos numa extensiva do auto proclamado “califado”, que consiste em 70% do Estado de Borno.

De acordo com algumas testemunhas, os militares nigerianos recusaram o confronto com terroristas e abandonaram uma base militar perto Baqa. A BBC relatou mais tarde que a cidade “teria sido arrasada, bem como outros vilarejos, que, de fato, não existem mais”. Dos 10 mil moradores de Baqa, muitos teriam fugido, alguns atravessando a fronteira do lago Chade, onde “centenas ficaram presos nas ilhas”.

Aqueles que conseguiram escapar “não puderam enterrar os mortos, seus corpos agora estão pelas ruas”, disseram as fontes. Entre os vilarejos nas periferias de Baqa estão “Dorn-Baga, Mile 4, Mile 3, Kauyen Kuros e Bunduram”. Se confirmado o número de mortos, seria o mais sangrento massacre realizado pelo Boko Haram.

Massacre cujo eco ultrapassa as fronteiras nacionais e começar a preocupar seriamente o vizinho Camarões, alvo de uma declaração do líder terrorista Abubakar Shekau por ter enviado seus soldados contra a organização. O presidente Paul Biya ontem dirigiu um apelo à comunidade internacional para parar o Boko Haram. “Desde Mali, Somália, até a República Centro-Africana, esses terroristas têm a mesma agenda – disse Biya – diante de uma ameaça global serve uma resposta global.”