ONG comprometida há mais de meio século em apoiar os cristãos perseguidos por ódio à fé indicou os lugares menos acolhedores para os discípulos do Salvador.

 

Roma, 08 de Janeiro de 2015 (Zenit.org) Redacao

A geografia das perseguições anti-cristãs é vasta e abrange vários países do mundo. A Coréia do Norte, Iraque e Somália sobem no, não invejável, pódio das 50 nações que, neste ano, o Open Doors International – uma ONG comprometida há mais de meio século em apoiar os cristãos perseguidos por ódio à fé – indicou como os lugares menos acolhedores para os discípulos do Salvador.

O ranking, que cobre um período do 1 de novembro de 2013 até o 31 de outubro de 2014, confirma um geral crescimento da perseguição aos cristãos no mundo e testemunha o agravamento da situação em algumas regiões da Ásia, da América Latina e da África subsaariana, onde os cristão eram melhor aceitos.

Há treze longos anos, pelo contrário, que a situação não muda na Coreia do Norte, que continua a consolidar o primeiro lugar desta terrível classificação, seguida pela Somália dos islâmicos Shebab e do Iraque ocupado pelos Jihadistas do Estado Islâmico. No “top ten” entram três Estados africanos: Sudão, Eritréia e Nigéria.

Os funcionários do Open Doors International destacam como algumas correntes mais extremas do Islã sejam a principal protagonista destas perseguições. No entanto, os cristãos são vítimas de restrições até mesmo em países considerados muçulmanos moderados – é o caso de Djibuti, Tanzânia e Comores – e nos países onde existem partidos nacionalista de matriz religiosa. É o caso da Índia governada pelo partido nacionalista hindu “Bharatiya Janata Party” (BJP), que subiu sete posições com 62 pontos, à frente do Egito. Alguma melhoria houve no Sri Lanka (caiu para o 44º lugar),  destino da próxima viagem do Papa.