Responsáveis católicos destacam acontecimento «decisivo» que deve continuar hoje a «orientar o compromisso dos cristãos»

 

Lisboa, 16 dez 2016 (Ecclesia) – A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) publicou hoje uma carta pastoral dedicada ao centenário das Aparições na Cova da Iria (1917 – 2017), intitulada ‘Fátima, sinal de esperança para o nosso tempo’, que sublinha a importância deste aniversário.

No documento, enviado à Agência ECCLESIA, os bispos portugueses destacam um acontecimento que “teve um papel decisivo” no reforço do “sentido cristão” das comunidades no país e em todo o mundo.

“Ao longo de todos estes cem anos, a peregrinação a Fátima revitalizou a fé de muitos crentes cansados, suscitou a conversão de muitos corações endurecidos, reafirmou a pertença eclesial de muitos batizados desorientados, tornou possível que muitos indiferentes redescobrissem o Evangelho, suscitou uma religiosidade que plasmou a vida de grande parte do nosso povo”, pode ler-se.

“De facto, a devoção a Nossa Senhora do Rosário de Fátima e a espiritualidade que brota da sua mensagem rapidamente passaram a marcar a pastoral da Igreja em Portugal e em todo o mundo”, acrescentam os bispos católicos.

O episcopado português realça uma “mensagem” que surgiu “profundamente vinculada aos dramas e tragédias da história do século XX” e que “conserva ainda a mesma força e exigência para os crentes do nosso tempo”.

Um legado que deve ser hoje “farol e estímulo para a conversão pastoral da Igreja” e “bússola a orientar o compromisso dos cristãos” numa era marcada por desafios como a guerra, a pobreza e a discriminação étnica e religiosa.

A fidelidade ao “carisma de Fátima”, escrevem os bispos, implica cristãos empenhados na “promoção e defesa da paz entre os povos, denunciando e opondo-nos aos mecanismos perversos que enfrentam raças e nações”.

Significa também assumir o compromisso de lutar contra “a arrogância racionalista e individualista, o egoísmo indiferente e subjetivista, a economia sem moral ou a política sem compaixão”.

“A mensagem da Senhora de Fátima agita as nossas consciências para que reconheçamos a tarefa desta hora histórica: a tarefa de não nos deixarmos cair na indiferença diante de tanto sofrimento; de respeitarmos a memória de tantas vítimas inocentes; de não deixarmos que o nosso coração se torne insensível ao mal tantas vezes banalizado”, frisa a carta da CEP.

A vinda do Papa Francisco a Fátima, por ocasião da comemoração do centenário, entre os dias 12 e 13 de maio de 2017, também é abordada nesta carta pastoral.

Os bispos portugueses sublinham a ligação que vários Papas sempre tiveram com o santuário mariano da Cova da Iria, desde Paulo VI a João Paulo II, passando por Bento XVI.

“E agora esperamos pelo Papa Francisco para a celebração do centenário. Mas também ele já consagrou o mundo ao Coração Imaculado de Maria”, lembra o episcopado português.

Em outubro de 2013, na Praça de S. Pedro, Francisco fez essa consagração diante da imagem de Nossa Senhora de Fátima que se venera na Capelinha das Aparições e que, a seu pedido, tinha sido levada a Roma no contexto da Jornada Mariana no Ano da Fé.

A carta pastoral ‘Fátima, sinal de esperança para o nosso tempo’, dedicada ao Centenário das Aparições, foi aprovada em Fátima, pelo Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa, no dia 13 de dezembro.

Agência Ecclesia