Um tribunal distrital dá razão à empresa Hercules Industries, que não terá que pagar serviços abortivos e contraceptivos aos próprios empregados

Por Federico Cenci

 

ROMA, 09 de Abril de 2015 (Zenit.org) – Davi pode vencer Golias. Mais um testemunho disso chega dos Estados Unidos, onde o controverso Obamacare sofreu um grande revés graças a uma família de industriais do Colorado, relutantes com a ideia de baixar a cabeça diante de uma lei que viola a doutrina moral católica.

A Hercules Industries, grande empresa de aquecimento e ar condicionado, com escritórios em cinco estados dos EUA, ganhou a sua batalha contra o Departamento de Saúde dos Estados Unidos. O confronto foi iniciado há três anos, quando a família Newland, de raiz católica, recusou-se a oferecer serviços abortivos e contraceptivos a seus empregados, conforme exigido pela reforma sanitária introduzida pelo Governo, que tem justamente o nome de Obamacare.

Um caso de desobediência civil que, como qualquer ato de coragem, teve dificuldades: a Hercules foi incluída nas salgadas multas impostas às empresas que não respeitam a diretiva. Mas quem persevera, vence. Os Newland recorreram ao Tribunal desde a aprovação da lei (junho de 2012); em março desse ano, depois de longos meses de espera, um juiz distrital emitiu uma injunção permanente em favor dos recorrentes no senso da lei norte-americana sobre a liberdade religiosa de 1993.

Lei que impede que as agências governamentais coloquem “fardos substanciais” sobre a liberdade de empresários para exercer suas crenças. As autoridades administrativas podem subordinar tal liberdade só se é o modo “menos restritivo” para prosseguir um “imperioso interesse do governo”. Caso que não é o da história da Hércules Industries.

William Newland, o mais velho da família, comentou dessa forma a sentença à CNS: “Esta vitória final, que nos protege da obrigação de servir aos nossos funcionários pílulas abortivas, contracepção e esterilização, tem ensinado à nossa família que teve razão de colocar a Deus em primeiro lugar, e lutar para proteger o nosso direito de viver e trabalhar de acordo com a nossa fé”. O mesmo Newland também disse, sobre as sanções econômicas duras que sua empresa teria de pagar se perdesse o caso: “os tesouros espirituais vem antes do que o business”.

Até agora, mais de 300 empresas tentaram uma causa contra o Obamacare e em defesa da liberdade religiosa: um bando de “novos Davi” que depois do julgamento em favor da Hercules Indústrias se sentem mais confiantes.