D. Gilberto Reis apela ao fortalecimento da “célula base” da sociedade.

Almada, Setúbal, 19 jan 2015 (Ecclesia) – O bispo de Setúbal considera a família como a “célula base” da Igreja, no entanto é preciso “fortalece-la” cada vez mais e o encontro diocesano, realizado este sábado, em Almada, serviu para mostrar a força desta realidade.

Para D. Gilberto Reis, a família é a “célula da vida” da sociedade e quando uma “célula está bem, tudo está bem”, disse à Agência ECCLESIA.

O secretariado Diocesano da Pastoral Familiar (SDPF), da Diocese de Setúbal, em coordenação com os movimentos de espiritualidade conjugal e familiar, promoveu, este sábado, no Seminário de Almada, o Dia Diocesano da Família, que juntou algumas dezenas de casais.

Esta atividade diocesana mostrou que a família “está no centro” e que “o caminho da humanidade é a família”, disse o padre Marco Luis, diretor do Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar.

A família tem “alegrias, problemas e esperanças”, mas é um “bênção de Deus”, frisou o padre da diocese de Setúbal.

Para Tatiana Pinto, membro da pastoral familiar da Diocese de Setúbal com o seu marido, Paulo Pinto, “não é difícil ser casal cristão na sociedade contemporânea”, mas “é um desafio interessante”.

Ao falar das dificuldades que os casais enfrentam, Tatiana Pinto realça que os meios de comunicação social mostram muitos conteúdos, mas “é difícil filtrar” tanta oferta.

O encontro, teve uma conferência do padre Daniel Granada, do Instituto João Paulo II de Madrid (Espanha), é uma “forma dos casais da Diocese de Setúbal estarem em comunhão e rever amigos”, sublinhou Paulo Pinto.

Atualmente, a família “está sem rumo e sem saber o seu caminho”, por isso os encontros formativos são “fundamentais para que a família perceba qual o seu papel na sociedade”, acrescentou Joana Martins.

Agência Ecclesia