Ortodoxos, judeus e muçulmanos estão sensibilizados pelos apelos do Papa em prol da paz e do desenvolvimento

 

Roma, 07 de Janeiro de 2015 (Zenit.org) Antonio Gaspari

Três indícios provam, mas muito mais do que três confirmam que os apelos do Papa Francisco em prol da paz, do diálogo entre religiões e do progresso dos povos, estão exercendo alguma influência entre os representantes de outros grupos religiosos, em particular entre ortodoxos, judeus e muçulmanos.

Basta pensar no apoio que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, demonstrou aos cristãos do Oriente Médio, aliás, inspirado nas palavras do Papa. Em uma mensagem de vídeo, o primeiro-ministro israelense desejou Feliz Natal “aos cristãos de Israel e de todo o mundo”, lembrando “a herança e os valores comuns” que unem judeus e cristãos e que se opõem ao “extremismo” e ao “ódio” que eles “nunca aceitarão”. Ele convidou a apoiar os cristãos “menos afortunados” no Oriente Médio que “estão passando por um momento difícil”, marcado por “violência, perseguição e medo.”

Na mesma linha, o presidente israelense Reuven Rivlin se reuniu com os líderes religiosos das comunidades cristãs que vivem em solo israelense para denunciar a perseguição e pedir aos cristãos muçulmanos e judeus para trabalhar em conjunto pela paz e pelo desenvolvimento. Rivlin recordou que “por causa da fé, milhares de pessoas são exiladas, convertidas a força, atacadas e brutalmente assassinadas” e demonstrou a esperança de que “nós cristãos, muçulmanos e judeus, filhos de Abraão, juntamente com todos os que professam diferentes credos, possamos ver o cumprimento da visão do profeta Isaías, onde uma nação não levantará a espada contra outra nação e não haverá mais guerra”. “Que 2015 possa ser um ano de amizade e cooperação. Que seja um ano de compreensão e respeito mútuo”, foi o augúrio final de Rivlin.

Em socorro dos cristãos perseguidos no Iraque o Irã também se pronunciou. O parlamentar cristão Yonatan Betkolia, representante das comunidades assírias e caldeias no parlamento da República Islâmica do Irã, confirmou que vários caminhões com placa iraniana, carregados com ajuda humanitária, foram parados na fronteira entre o Irã e o Iraque, à espera de obter a autorização de entrada para chegar às comunidades cristãs que são vítimas da limpeza étnico-religiosa dos jihadistas do Estado islâmico.

Antes do Natal, o arcebispo Maroun Lahham, vigário patriarcal para a Jordânia do Patriarcado Latino de Jerusalém, disse à agência Fides que recebeu o embaixador iraniano na Jordânia Mojtaba Ferdowsjpour, que felicitou os cristãos por ocasião do Natal e reiterou o compromisso da República islâmica do Irã em ajudar os cristãos em dificuldade no vizinho Iraque.

“O Irã assumiu um papel crucial no Oriente Médio -disse o Arcebispo Lahham-. Está em contato com a Santa Sé, com o qual compartilha diálogos muito importantes. Esperamos que a contribuição do Irã tenha um efeito positivo na busca de soluções para as crises que afetam o povo do Iraque e da Síria”.

Um apelo para erradicar o fanatismo substituindo-o por uma “visão mais iluminada do mundo” foi lançado pelo então presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi, durante seu discurso na abertura do ano acadêmico na Universidade Al-Azhar, grande centro teológico do islamismo sunita.

Dirigindo-se aos estudiosos e líderes religiosos da Universidade Al-Azhar, o chefe de Estado egípcio salientou que o mundo islâmico não pode mais ser visto como “uma fonte de ansiedade, perigo, morte e destruição” para o resto da humanidade. Por isso, os líderes religiosos devem se comprometer a rejeitar o “pensamento errado” que está levando toda a comunidade islâmica “a antagonizar o mundo inteiro”.

Apesar da propaganda do horror espalhada por extremistas, começam a surgir resistências e rebeliões dentro do chamado Califado. O The New York Times relatou a história de Usaid Barbo, sírio, quatorze anos, destinado a explodir em uma mesquita xiita de Bagdá e que, em vez disso, se entregou a polícia iraquiana, dizendo: “Eu não quero me explodir”. Recrutado em uma mesquita de Manjbi, perto de Aleppo, o jovem teria se oferecido como homem-bomba para ter a chance de fugir da ditadura do califado.

Como esquecer a heroica resistência das 150 mulheres, algumas delas grávidas, que se recusaram a casar com fundamentalistas. Os terroristas do Califado mataram todas as mulheres que se opunham a casar com eles. De acordo com informações fornecidas pelo Ministério de Direitos Humanos de Bagdá, a maioria das mulheres massacradas era Iazidi.

Poucos dias depois da visita apostólica do Papa Francisco ao Sri Lanka e as Filipinas, o chefe do Conselho filipino dos Imames, Ebra Moxsir M. al-Haj, em um programa de TV, exortou os muçulmanos a seguir o conselho de paz do Papa, expressando total apoio ao pontificado de Francisco, especialmente pelos esforços em prol da paz e do diálogo inter-religioso.

“Os apelos do Papa Francisco pela paz e pelo bem da humanidade devem ser ouvidos e apoiados por todos os seres humanos, independentemente da religião ou crença”, disse ele, acrescentando: “Se quisermos derrotar o terrorismo, eu convido meus irmãos e muçulmanos a ouvir e compreender as palavras do Papa”.