O Congresso Eclesial Nacional, na Itália, é uma oportunidade para finalmente tornar os católicos protagonistas do seu tempo

 

Roma, 09 de Novembro de 2015 (ZENIT.org) Giuseppe Adernò

Os recentes acontecimentos que atraem a atenção da mídia para a Igreja destacam escândalos e evidenciam a natureza ferida dos homens e as dinâmicas típicas de um mundo cheio de imperfeições e fraquezas.

Apesar desses problemas, a Igreja consegue prosseguir na sua missão celestial. Em Florença, ela se questiona sobre os desafios para um novo humanismo, inspirado pela fé cristã.

Aparece no horizonte outro “renascimento” da exaltação da “beleza, cultura e caridade”. E são necessárias não só novas ideias, mas pessoas vivas que traduzam o renascimento em sinais positivos de progresso e de civilização.

Nos últimos tempos, o anúncio cristão tem sido dominado por um processo de imanentização dos problemas da Igreja, orientados à criação de um paraíso de justiça social, de luta contra a criminalidade, a pobreza, a imoralidade. E a ética do trabalho se enxerta nas problemáticas ecológicas e ambientais, que caracterizam a reviravolta climática e as transformações do planeta.

A Igreja se interroga com frequência sobre como testemunhar a mensagem cristã na sociedade contemporânea. O primeiro grande Congresso Eclesial Nacional na Itália foi realizado em Roma em 1976, sobre a evangelização e a promoção humana. Agora, o quinto se realiza em Florença, de 9 a 12 de novembro, com o tema “Em Jesus Cristo um novo humanismo”, cujo processo de reflexão se baseia em cinco verbos: “sair, anunciar, morar, educar, transformar”. São expressões indicativas de ações concretas, que solicitam uma mudança no modo de expressão, comunicação e testemunho do novo humanismo cristão, como sinal da presença viva da Igreja no território.

A atenção aos pais separados, o uso dos bens confiscados da máfia para resgatar e reinserir jovens no trabalho e o lançamento de uma TV diocesana que dê voz às necessidades das pessoas são algumas das interpretações desses verbos na renovação do humanismo.

Esperam-se de Florença não só palavras, mas sinais de uma nova e verdadeira “sensibilidade eclesial”, uma resposta prática para aqueles que perderam o sentido de Deus e dos valores do humanismo, que coincidem com os valores cristãos: amor, respeito, liberdade, legalidade, justiça social.

A crise contemporânea e as novas ideologias, que sustentam modos e estilos de vida definidos como “abertos, modernos, progressistas”, fizeram os valores perderem o esmalte original da essência efetiva. Muitas vezes, os valores são trocados por substitutos de fácil consumo, descartando-se o que não responde aos interesses do indivíduo e, por vezes, incorporando a pessoa e a dimensão humana a essa operação de descarte.

O homem de hoje precisa, mais uma vez, de uma nova evangelização que leve o Evangelho ao centro do seu coração e promova sinais de uma verdadeira caridade, inclusive intelectual, capaz de reorientar o projeto cultural em sentido cristão.

A resposta vencedora do mal social que espalha morte e destruição está na valorização da cultura, dos princípios e valores que a história nos deu e que agora precisam de proteção.

O novo humanismo cristão torna a Igreja visível, presente na história, e transforma a vida dos jovens agentes da mudança projetando-os em novos caminhos de esperança.

Os católicos de hoje, convidados a ser mais atentos às exigências da história, sabem que a Igreja não é uma ONG, mas uma mestra da Verdade que leva à salvação das almas. Não é uma utopia. É um desafio.