Papa Francisco repropôs a ideia de Paulo VI, que está sendo analisada junto com Bartolomeu I de Constantinopla

Roma, 15 de Junho de 2015 (ZENIT.org)

O Papa Francisco, durante um encontro que teve lugar no sábado (12), em Roma, com alguns sacerdotes reunidos para o III Retiro Mundial, manifestou a intenção de fixar uma data para celebrar a Páscoa com todos os cristãos. Assim, todos os fiéis que seguem Jesus poderiam comemorar juntos.

Desde a época de Paulo VI (1963-1978), a Igreja Católica está disposta a estabelecer uma data específica e renunciar o primeiro solstício após a lua cheia de março, pelo qual é estabelecido a data da Páscoa. E sobre isso, afirmou Francisco, “temos de pôr-nos de acordo”.

Na catedral de Roma, a Basílica de São João de Latrão, o Papa disse: “A solução mais definitiva seria uma data fixa, por exemplo, imaginemos o segundo domingo de abril”.

O Santo Padre, falando espontaneamente em espanhol, disse que a situação atual é um escândalo: “Quando o seu Cristo ressuscita? O meu hoje, o seu na próxima semana”, indicou com certa ironia, revelando a existência de contatos com o Patriarca Bartolomeu de Constantinopla e Cirilo de Moscou, para chegar a um entendimento.

Não é uma data fixa que cai em um determinado dia, como o Natal. A Páscoa é a primeira festa cristã em importância e antiguidade, dado que no Concílio de Nicéia, em 325, há prescrições relativas à data da celebração, ou seja, o primeiro domingo depois da lua cheia que se segue ao equinócio de primavera, entre 22 de março e 25 de Abril. Essas datas fazem referência ao chamado “calendário gregoriano”, introduzido em 1582 pelo Papa Gregório XIII.

Os Cristãos Ortodoxos utilizam o calendário juliano, criado em 45 aC pelo imperador romano Júlio César, e por isso a data é entre 04 de abril e 08 de maio.

Aos participantes do retiro internacional para sacerdotes promovido pela Renovação Carismática Católica e pela Fraternidade Católica, Francisco disse também que pediu ao Patriarca Ecumênico Bartolomeu I para apresentar a sua próxima encíclica “Laudato sii”(Louvado sejas), que trata da defesa da criação.