Entrevista com o casal brasileiro que foi escolhido pelo Papa para participar da III Assembleia Geral Extraordinária do sínodo dos bispos 2014

Por Thácio Siqueira

 

BRASíLIA, 01 de Outubro de 2014 (Zenit.org) – O Papa Francisco convidou 14 casais para participarem da III Assembleia Geral Extraordinária do sínodo dos bispos que começa nesse próximo domingo, 5 de Outubro. Dentre eles, também um casal brasileiro. 

Trata-se do casal responsável, no Brasil, pelo movimento Equipes de Nossa Senhora, recém-eleitos para esse cargo no dia 1º de setembro passado: Hermelinda e Arturo Zamperlini, de São José dos Campos – SP.

Algumas perguntas surgem ao ver tantos casais reunidos com os bispos e o Santo Padre, em Roma, para aprofundar o tema da família. Conheciam o Papa Francisco de antes? Como foram escolhidos para essa missão? Qual será a sua função durante a Assembleia?

Com muita bondade, essas e outras perguntas, Hermelinda e Arturo responderam para os nossos leitores de ZENIT.

Acompanhe a entrevista abaixo, em preparação dessa importante assembleia que está para começar:

***

ZENIT: Por que vocês foram escolhidos pelo Papa Francisco para participar da Terceira Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos? Já conheciam o Papa Francisco de antes?

– Não, não conhecíamos o Papa Francisco. Fomos convidados pela Santa Sé através da Nunciatura Apostólica no Brasil, que nos perguntou, ainda em junho passado, se aceitaríamos de participar como Auditores. Aceitamos de pronto!

Acreditamos que a escolha foi para o Movimento das Equipes de Nossa Senhora, que trabalha na evangelização de casais, auxiliando na busca da santidade na vida matrimonial. Como atualmente somos os dirigentes do Movimento no Brasil, nossa crença é que fomos escolhidos pelo trabalho das Equipes de Nossa Senhora com casais.

ZENIT: Qual será o papel de vocês durante a Assembleia?

– Fomos convidados para sermos Auditores, e como tal seremos ouvintes atentos e obedientes durante todo o Sínodo. Em data e hora a ser determinada, poderemos ter uma fala de quatro (4) exatos minutos, para nos expressarmos sobre “A abertura dos cônjuges à vida”, texto que consta da 3ª Parte do Instrumentum Laboris, capítulo I. Lembraremos na posição de leigos casados, que a nenhum casal é permitido guardar para si as graças e os frutos maravilhosos da vida matrimonial.

ZENIT: A relação “Equipes de Nossa Senhora – Matrimônio” é boa? Ou seja, os casais das equipes se encontram em melhores condições para viver a vocação matrimonial?

– Graças a Deus somos muito bem preparados para tal missão. O Movimento das Equipes de nossa Senhora tem como Carisma a Espiritualidade Conjugal, viver a conjugalidade em função da santificação dos cônjuges. Nesse aspecto entendemos que estamos muito bem preparados para viver a vocação matrimonial, graças ao instrumental de formação e espiritualidade que o movimento nos proporciona.

ZENIT: A grande maioria dos católicos, em geral, não participa de nenhum movimento eclesial. Os movimentos, em princípio, propiciam uma melhor formação. É possível acabar com esse catolicismo tão superficial, como o que se vive hoje em muitos lugares? O documento preparatório do sínodo frisa a importância de uma “formação mais constante e minuciosa: bíblica, teológica, espiritual, mas também humana e existencial”. O que o Brasil poderia oferecer nesse sentido? Qual proposta a Igreja no Brasil pode propor para a Igreja Universal?

– Essa realidade não é só do Brasil, é mundial. O Brasil estará muito bem representado no Sínodo pelos Senhores Cardeais e Bispo. São padres altamente competentes, lúcidos e conhecedores da realidade brasileira. Temos certeza que a Igreja do Brasil ajudará muito a Igreja universal. Vamos aguardar os resultados do Sínodo.

ZENIT: Qual é o segredo para ser vitorioso na vida matrimonial e familiar? Participar de algum movimento eclesial?

– Viver o dia-a-dia do casal e da família não é uma tarefa fácil nesse nosso mundo secularizado. Temos nossos espinhos e dificuldades a serem vencidas a cada dia. A oração em família e em casal e a prática de conversar, de dialogar, francamente sobre todos os assuntos da família favorecem a construção de um lar sólido e fecundo. E no nosso caso particular, participar de um Movimento eclesial nos ajudou bastante, portanto acreditamos que ajude à grande maioria dos casais.

ZENIT: É um fato que os povos que prestam mais atenção à família progridem mais? Por quê?

– A família é o berço de tudo. Como regra geral, cultivar a boa família, onde se vive relações honestas e maduras, fortalece muito o ser humano. Famílias desestruturadas tendem a gerar filhos desestruturados. E os bem-formados tendem a ser os vencedores no mundo, em todas as áreas de atuação.

ZENIT: Quais as linhas pastorais que o Brasil poderia oferecer ao mundo, com relação aos problemas do matrimônio hoje: uniões de fato, divorciados recasados, a situação dos filhos, das mães solteiras, o acesso aos sacramentos, etc? Acha que a Igreja deveria ter uma mudança radical de rumo na sua pastoral?

– Existe a expectativa de que este Sínodo Extraordinário, convocado pelo Santo Padre, discuta todos esses assuntos, tão necessários de serem debatidos e solucionados nos dias de hoje e que as propostas sejam apresentadas para intensificação dos debates e para conclusão, no Sínodo Ordinário do próximo ano. O Brasil, como participante do Sínodo terá, com certeza muito a contribuir, graças à vivência do dia-a-dia da realidade brasileira, que os senhores Cardeais conhecem tão bem!  E poderíamos sim, oferecer nossa vivência e experiência sobre o tema.