Natal em Família: segunda semana do Advento

Por André Parreira

 

SãO PAULO, 05 de Dezembro de 2014 (Zenit.org) – Mais uma vez nos encontramos para partilhar sobre a preparação em família para o Natal. Semana passada comentava do ritmo no qual a sociedade do consumo vive o Advento, um ritmo nada relacionado com o ambiente que nos é proposto, de oração, vigilância e esperança. Parece haver dois mundos distintos. Um dentro da igreja, cheio de esperança e de apelos de simplicidade com o grande exemplo do presépio. Outro, proclamado de maneira que faria inveja a João Batista, usa o rádio, TV, folhetos, lojas enfeitadas (algumas com um presépio!) e carros de som que invadem nossas casas gritando “Vem ser feliz!” (quem fica feliz é o dono da loja!), plantando em nós a confusão entre o ter e o ser.

Neste desafio de viver o Advento também fora da igreja, devemos começar pela nossa família, a Igreja doméstica. Algumas atitudes simples podem ajudar. Existem milhares de possibilidades, mas devo partilhar aqui pequenas, porém desafiadoras, atitudes que nossa família tem experimentado, nadando contra a correnteza.

Já que temos crianças em casa, nos preocupamos para que elas possam também experimentar a novena de Natal. Além de novena em comunidade paroquial, penso que seja importante que os pais – primeiros catequistas dos filhos – propiciem este momento de reflexão em seus lares. Há alguns anos descobrimos opções de novenas infantis, em linguagem apropriada e com desenhos para colorir. Desde então, aproveitamos este recurso em Família. Nos anos anteriores nos reuníamos próximos do presépio, acendíamos a vela, cantávamos (às vezes usamos um CD com as músicas infantis para a liturgia do Advento) e fazíamos nossa reflexão. Foram momentos maravilhosos onde todos participavam empolgados. Este ano não será diferente, já encomendamos nossas novenas!

Também procuramos evitar as listas de presentes. Temos feito opção por cartões ou lembranças singelas e, em especial, algumas feitas por nós mesmos como um bolo ou um artesanato. Estimulamos também que as crianças produzam desenhos, cartões e montem seus presentinhos. Assim procuramos expressar aos amigos e parentes mais próximos nossa estima por um feliz Natal, sem alimentar a tendência consumista. E ainda evitamos andar de loja em loja, ocupando horas no meio de um barulho e agitação que não se identificam com o Advento.

É tempo de achar um momento para meditar diariamente e em família sobre a proximidade do Natal. E o melhor lugar é em casa e não andando de loja em loja… Assim vamos ouvindo o apelo de João Batista, “Preparai o caminho do Senhor, endireitai suas estradas!’””(Mc 1,3) e esperando aquele que nos batiza com o Espírito Santo (Mc 1,8).

Paz e bem!

Comentários ou sugestões escreva para: alparreira@gmail.com. André Parreira é empresário, casado e pai de 6 filhos, colabora na formação de jovens e casais e é colunista colaborador de ZENIT