2016-08-18 Rádio Vaticana – Neste “Sal da Terra, Luz do Mundo” fazemos uma sugestão de leitura para o tempo de férias: “A lista do padre Carreira”, um livro do jornalista António Marujo que o apresenta no som da Agência Ecclesia.

 

“A lista do padre Carreira” é o novo livro do jornalista português António Marujo apresentado pela Editora Vogais e que relata as atitudes do sacerdote português Joaquim Carreira durante a ocupação nazi em Roma quando era reitor do Pontifício Colégio Português.

O padre Carreira recolheu refugiados durante a Segunda Guerra Mundial em Roma, entre os quais, alguns judeus, facto que levou o Yad Vashem, o Instituto para a Memória do Holocausto, a atribuir-lhe a medalha de ‘Justo entre as Nações’, título concedido a pessoas que não professam a fé judaica e que salvaram judeus durante o Holocausto. Este título foi entregue em abril de 2015, numa cerimónia na Sinagoga de Lisboa, como salienta António Marujo em entrevista à Agência Ecclesia.

O padre Carreira nasceu em 1908, perto de Leiria, numa aldeia próxima de Fátima, foi ordenado padre em 1931 e em 1940, já em plena Segunda Guerra Mundial, mudou-se para Roma, onde foi vice-reitor e reitor do Pontifício Colégio Português entre 1940 e 1954.

Segundo António Marujo, o padre Carreira, durante o período da ocupação nazi de Roma, que teve início em setembro de 1943, “resolveu, como ele escreveu, assumir a proteção de pessoas que eram vítimas de leis injustas e desumanas”.

O padre Carreira deu hospitalidade a dezenas de refugiados no Colégio Português em Roma e procurou manter a tranquilidade naquela instituição implementando algumas regras de segurança para contrastar as visitas e a vigilância das tropas nazis, como sublinha António Marujo.

Para garantir e organizar o normal funcionamento do Colégio Português, o Monsenhor Carreira ia pelos arredores de Roma à procura de fornecedores para arranjar comida, pois houve um período em que, para além dos padres que viviam no Colégio, o padre Carreira alojou na instituição cerca de 50 refugiados.

Segundo o jornalista António Marujo, o padre Carreira era “um homem que furava tudo o que era possível para garantir a sobrevivência e a normalidade possível dentro daquele quadro” de guerra e de ocupação de Roma pelos nazis.

“A lista do padre Carreira”, título que António Marujo deu ao seu livro, nasce de um relatório que o reitor do Colégio Português fez sobre a atividade da instituição onde registou os nomes das pessoas que passaram pelo Colégio.

Na entrevista à Agência Ecclesia, António Marujo refere que a sua investigação começou a partir da informação de um estudo apresentado num congresso de historiadores que revelava o número de judeus que tinham sido salvos por instituições religiosas em Roma.

“ A lista do padre Carreira” é a nossa sugestão de leitura para este tempo de férias.

“Sal da Terra, Luz do Mundo” é aqui na Rádio Vaticano em língua portuguesa.

(RS)

(from Vatican Radio)