Decisão dos primazes das Igrejas ortodoxas autocéfalas é inédita em mais de mil anos

 

1 fevereiro 2016 – O denominado Santo e Grande Concílio Pan-Ortodoxo acontecerá na Academia Ortodoxa de Creta, de 16 a 27 de junho. A decisão é dos primazes das Igrejas ortodoxas autocéfalas, reunidos no Centro Ortodoxo de Chambésy, Suíça, de 21 a 28 de janeiro, a convite do patriarca ecumênico Bartolomeu I.

O Concílio Pan-Ortodoxo não é convocado há mais de mil anos. O comunicado final enumera os temas aprovados oficialmente para a histórica reunião, que abordará a diáspora ortodoxa, a missão da Igreja ortodoxa no mundo contemporâneo, o sacramento do matrimônio e seus impedimentos, a importância do jejum e sua observância hoje, bem como as relações das Igrejas ortodoxas com outras confissões cristãs.

Em Chambésy, todos os participantes autorizaram a participação de observadores não ortodoxos durante as sessões de abertura e encerramento do Santo e Grande Concílio. Será criada também uma secretaria pan-ortodoxa.

Por fim, os primazes das Igrejas ortodoxas expressaram apoio aos cristãos perseguidos no Oriente Médio e manifestaram sua preocupação constante com os metropolitas de Aleppo sequestrados em abril de 2013, o greco-ortodoxo Boulos Yazigi e o siro-ortodoxo Mar Gregórios Yohanna Ibrahim.

O encontro em Chambésy tinha sido convocado para definir os textos, regulamento e funcionamento da cúpula pan-ortodoxa, que, inicialmente, seria celebrada na antiga catedral de Santa Irene, em Istambul, mas foi transferido devido às tensões internacionais entre a Turquia e a Rússia.

Creta, ilha grega sob a jurisdição eclesiástica do Patriarcado de Constantinopla, foi escolhida porque oferece condições logísticas mais favoráveis e porque já sediou outras conferências teológicas no passado.