D. Ilídio Leandro agradeceu «precioso e empenhado contributo» no Sínodo Diocesano

 

Viseu, 09 dez 2015 (Ecclesia) – O bispo de Viseu destacou que a diocese viveu um dos dias “mais ricos e belos” esta terça-feira no encerramento do Sínodo Diocesano, “precioso instrumento de renovação eclesial, espiritual e pastoral”, associado a outras celebrações universais da Igreja.

Na homilia da Solenidade da Imaculada Conceição, D. Ilídio Leandro colocou “no Seu coração materno” as conclusões operativas do Sínodo Diocesano – “espirituais, doutrinais, sociais e pastorais” – que a Igreja de Viseu está a viver desde 2010.

Segundo o prelado, estas conclusões são para implementar em cada um e nas comunidades, “como ações de renovação da Igreja diocesana”.

Na Sé de Viseu, o bispo diocesano agradeceu a “todas as pessoas” que deram o seu “precioso e empenhado contributo” para este caminho sinodal em curso, desde há mais de 5 anos.

“Todos deram muito e de forma dedicada para que se vivessem as etapas que, com amor e entrega, o Secretariado Geral do Sínodo e as Comissões Doutrinais foram propondo, animando e orientando”, desenvolveu, reconhecendo a “preciosa ajuda” dos que assumiram missões especiais.

Nesta Eucaristia festiva, D, Ilídio Leandro inaugurou solenemente o Ano Santo da Misericórdia na Diocese de Viseu reunindo os fiéis no escadório da Igreja da Misericórdia onde convidou a assembleia a bendizer e louvar a Deus porque “eterna é a sua misericórdia”. 

Depois, peregrinaram até à Catedral onde D. Ilídio Leandro abriu a ‘Porta Santa’ anunciando: “Esta é a porta do Senhor. Por ela entraremos para alcançar misericórdia e perdão”.

No interior da Sé viseense, o bispo diocesano aspergiu a assembleia para “implorar o perdão dos pecados e a proteção contra todos os males e insídias do inimigo”.

“Que este ano santo, tão especial para a nossa Diocese, em Sínodo e em Jubileu, seja oportunidade de conversão”, desejou.

Na Eucaristia da Solenidade da Imaculada Conceição o secretário-geral do Sínodo Diocesano apresentou uma síntese das propostas sinodais aprovadas e foi também lida a Ata de encerramento desta assembleia.

“Associam-se muitas razões para termos este dia como um dos mais ricos e belos, na nossa diocese”, observou também o bispo de Viseu, no contexto celebrativo dos 50 anos do Concílio Vaticano II, no encerramento do Sínodo diocesano e início do Ano Santo da Misericórdia.

Agência Ecclesia