2015-11-18 Rádio Vaticana – A obra, da autoria de D. Carlos Moreira Azevedo, membro da Co-missão Pontifícia de Arqueologia Sacra, foi apresentada no passado dia 13 de Novembro na Biblioteca Na-cional, em Lisboa, e reflecte a ousa-dia do padre João Moutinho na crítica à Inquisição que considerou “uma heresia” da igreja no Portugal do século XVIII.

 

Trata-se do “único exemplar que se conserva no mundo mais completo ” da carta-aberta deste portuense ao Rei D. José I em 1755, diz à radio Vaticano D. Carlos Azevedo que destaca o pensamento do padre português que o Marquês de Pombal quis apagar a memória e expulsou para Roma onde foi julgado e acabou por morrer no Castelo de Sant’Angelo.

Para D. Carlos Azevedo, nomeado em 2011 delegado do Conselho Pontifício da Cultura, o padre João Moutinho foi “um visionário dos meados do  século XVIII” que fez “uma crítica evangélica e teológica à Inquisição muito rara” e “à própria política que Portugal fazia”.

Em conversa com o jornalista Domingos Pinto, o ex-vice-reitor da UCP que foi bispo auxiliar de Lisboa, faz o enquadramento histórico desta obra e sublinha a sua actualidade para o Portugal dos nossos dias.

 (from Vatican Radio)