VATICANO, 21 Nov. 16 / 04:00 pm (ACI).- O Papa Francisco explicou que os bispos têm o dever de acolher e acompanhar as pessoas que vivem o fracasso conjugal e nunca devem considerá-los “estranhos ao Corpo de Cristo que é a Igreja”.

 

Assim o indicou o Santo Padre em seu discurso aos bispos reunidos no último dia 18 de novembro na Rota Romana, onde recebem um curso de formação sobre o novo processo de nulidade matrimonial que entrou em vigor em dezembro de 2015.

Em suas palavras aos bispos, em uma visita que inicialmente estava programada para o dia 19 novembro, o Papa ressaltou que o fim último de qualquer ação pastoral é a “salus animarum”, ou seja, a salvação das almas.

Nesta perspectiva, disse Francisco, “a Igreja caminha sempre, como mãe que acolhe e ama, sob o exemplo de Jesus, o Bom Samaritano”.

“A Igreja do Verbo Encarnado se ‘encarna’ nas vivências tristes e nos sofrimentos das pessoas, se inclina para os pobres, os distantes e para os que se consideram excluídos pela comunidade eclesial por causa do seu fracasso matrimonial”.

Entretanto, prosseguiu o Santo Padre, estes fiéis “permanecem incorporados a Cristo pelo batismo. Portanto, temos uma grande responsabilidade de usar o munus (dom), recebido de Jesus divino Pastor, médico e juiz das almas, de não os considerar nunca estranhos ao Corpo de Cristo que é a Igreja”.

“Somos chamados a não os excluir da nossa preocupação pastoral, mas a nos dedicarmos a eles e à sua situação irregular e dolorosa com toda a solicitude e caridade”, exortou.

Depois de ressaltar que a missão do bispo também se orienta nesse sentido, o Papa Francisco explicou que é importante e necessário “eliminar com determinação qualquer impedimento de carácter mundano, que torna difícil a um grande número de fiéis o acesso aos tribunais eclesiásticos. Questões de natureza econômica e organizacional não podem ser um obstáculo para a verificação canônica da validade de um matrimônio”.

“Na óptica de um relacionamento sadio entre justiça e caridade, a lei da Igreja não pode prescindir do princípio fundamental da salus animarum. Portanto, os tribunais eclesiásticos devem ser expressões palpáveis de um serviço diaconal do direito na proteção deste fim primário”, sublinhou.

Por isso, continuou o Pontífice, a salus animarum é a “palavra final do Código de Direito Canônico”, para que esteja “acima de tudo como a lei suprema e como o bem maior que excede o próprio direito, indicando assim o horizonte da misericórdia”.

Do mesmo modo, o Papa comentou que as perguntas que surgem da pastoral matrimonial “requerem respostas e procedimentos nem sempre fáceis. Tenho certeza de que estes dias de estudos os ajudarão a individualizar a aproximação mais oportuna às diversas problemáticas”.

De Cristo, o Bom Pastor, disse Francisco, “devemos aprender cada dia a sábia busca do unum necessarium (o único necessário): a salus animarum” que é “o bem supremo e se identifica com Deus mesmo, como disse São Gregório Nacianceno”.

“Confiem na assistência infalível do Espírito Santo, que conduz invisível, mas realmente a Igreja”.

“Rezemos a Ele para que vos ajude e ajude também o Sucessor de Pedro a responder, com disponibilidade e humildade, ao clamor de ajuda de tantos nossos irmãos e irmãs que precisam saber a verdade sobre o seu matrimônio e o caminho da sua vida”, concluiu.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Está estressado? Papa Francisco compartilha seu “segredo” para enfrentar isso

 

54612

Parte superior do formulário

Roma, 21 Nov. 16 / 06:00 pm (ACI).- Em um mundo cada vez mais mutável e acelerado, no qual parece que ninguém tem tempo para nada, o estresse e a depressão atingem cada vez mais pessoas. O Papa Francisco tem algo a dizer sobre essa questão.

Em uma nova entrevista concedida à TV2000, perguntaram ao Papa: “Vemos que seus dias estão sempre cheios de compromissos, os pensamentos com certeza não faltam. Às vezes, vemos o senhor cansado, mas nem sequer uma vez o vemos estressado, como acontece com muitos de nós, que vivemos em uma sociedade onde o estresse e a depressão também são doenças sociais. Como faz? Há algum segredo que queira partilhar?”.

E esta foi a resposta do Papa Francisco:

“Há um chá especial? Não sei como faço, mas… eu rezo: isso me ajuda muito. Rezo. A oração me ajuda, é estar com o Senhor. Celebro a Missa, rezo o breviário, falo com o Senhor, rezo o Rosário… Para mim, a oração ajuda muito.

Depois, durmo bem: esta é uma graça do Senhor. Durmo como uma pedra. No dia das réplicas do terremoto, não senti nada. Todos sentiram que a cama parecia estar dançando… Não, de verdade, durmo seis horas, mas como uma pedra. Possivelmente isto ajuda na minha saúde…

Tenho minhas coisas, não? O problema da coluna que está bem por enquanto, e faço apenas aquilo que posso, não mais. Nesse sentido, me cuido um pouco. Mas não sei o que dizer. É uma graça do Senhor… não sei”.