Papa Francisco convida as famílias a se abrir renovando sua fé na Palavra do Senhor

 

Uma família alegre, pronta para ensinar a seus filhos a cada ação que se propõe a ajudar e vencer o mal, a “toda nação, religião ou região” e que as testemunhas que “o Espírito está vivo e ativo”.

Esta é a família descrita pelo Papa Francisco durante a Santa Missa de encerramento do VIII Encontro Mundial das Famílias, domingo, 27 de setembro no Benjamin Franklin Parkway, na Filadélfia, diante de mais de um milhão de pessoas.

 

A família – disse o Santo Padre – é Igreja doméstica, onde a vida cresce na fé “moldada pelo amor”. É também o lugar onde experimentamos quanto a fé e a santidade estão ligados aos gestos mais simples que abrem “a janela para a presença ativa do Espírito”. São gestos “de mãe, avó, pai, avô, filho, irmão. São gestos de ternura, de afeto, de compaixão. Gestos como o prato quente de quem espera para jantar, como café da manhã bem cedo de quem sabe acompanhar o levantar-se ao alvorecer. São gestos familiares. É a bênção antes de dormir e se abraçam após retornar de um longo dia de trabalho. O amor é expresso nas coisas pequenas, atenção aos detalhes de cada dia que provocam que a vida tenha sempre gosto de casa.”

 

O Papa dirigindo-se aos presentes na celebração, finalmente perguntou: “na minha casa, se grita ou se fala com amor e ternura? É uma boa maneira de medir o nosso amor”, lembrando-nos da nossa missão de profetas e, especialmente, o quanto é importante que cada um de nós esteja aberto para o milagre do amor para o bem da sua família e de todas as famílias do mundo, e superando “o escândalo de um amor mesquinho e desanimado, fechado em si mesmo, sem paciência com os outros”!

 

In Conselho Pontifício para a Família