24 Nov. 14 / 06:39 pm (ACI).- “Quem ler o documento final do Sínodo para as Famílias, realizado em outubro deste ano, vai constatar que nada foi alterado em relação à Doutrina da Igreja”, afirmou recentemente o apresentador e autor Católico, Prof. Felipe Aquino. Segundo o perito, muitos dos temas noticiados pelas mídias seculares não foram os realmente tratados durante a III Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos. Na opinião do Prof. Aquino, o Papa Francisco quer uma reforma pastoral e não doutrinária no que diz respeito à família.

 

Em sua entrevista exclusiva a ACI Digital neste domingo, 23, após uma palestra no I Congresso Regional do Planejamento Natural da Família e o Método de Ovulação Billings (MOB) celebrado nos dias 22 e 23 em de Petrópolis (RJ) onde tratou de temas relativos ao planejamento familiar e desafios da família na atualidade, o Prof. Aquino realizou uma breve análise da situação da vida e da família no Brasil. 

“A situação é crítica. Nós temos aí no Congresso Nacional vários projetos de lei para implantar o aborto, e outras coisas que ameaçam a família como casamento de pessoas do mesmo sexo, o uso de embriões de células tronco, e outros ataques à vida. E se atacam a vida, atacam a família. É uma luta muito grande, mas estou satisfeito de ver o trabalho de grupos da Igreja, pastorais familiares e outras entidades se movimentando. Entretanto, precisamos ter mais pessoas formadas, preparadas para a responder a demanda de tantas pessoas que querem conhecer a proposta da Igreja sobre a família”, disse.

Em seguida, o perito partilhou sua avaliação do Sínodo extraordinário para os desafios pastorais da família no contexto da evangelização, realizado em outubro deste ano no Vaticano. O Prof. Felipe lamentou que tenha havido dois Sínodos: o Sínodo dos Bispos e o Sínodo da Mídia.

“Houve um Sínodo com as discussões dos bispos e outro, que a mídia não católica noticiou, que nem sempre trazia os temas tratados ali. Falaram de reformas que não estão na mente do Papa. Pelo documento final que eu li, concluí que não se alterou nada. E creio que não vai se alterar nada em termos doutrinais”, afirmou.

“Muitas pessoas acham que o Papa Francisco vai fazer mudanças como autorizar o casamento de pessoas do mesmo sexo ou permitir a Comunhão Eucarística para casais de segunda união. Não, ele não vai fazer isso, porque essa proibição está no Catecismo da Igreja, que foi aprovado por São João Paulo II e por bispos do mundo inteiro. O que o Papa está fazendo é uma reforma pastoral, não é uma reforma doutrinária ou moral”.

O autor e apresentador católico afirmou que a atitude do Papa nos recorda o modo de Jesus agir: indo aos pecadores que estão nas periferias e exortar à conversão.

“Devemos fazer isso, amar o pecador, mas não o pecado, mas as pessoas muitas vezes misturam as coisas. Eu ouvi recentemente, o Papa Francisco falar radicalmente contra o aborto e contra a eutanásia, ou seja, ele ratificou o que a Igreja ensina sobre a defesa da vida e da família”, acrescentou o professor Felipe.

Para o intelectual o Sínodo quis dar uma abertura para os bispos conversarem sobre temas atuais que são verdadeiros desafios, situações novas decorridas de ataques à família tal como a de filhos adotados por casais homossexuais ou aqueles gerados por fecundação in vitro.

“Teremos um sínodo em outubro de 2015, para continuar essa conversa, temos que esperar para ver o que vai acontecer. A Doutrina da Igreja está sedimentada há mais de dois mil anos, nunca houve um Papa que revogasse um ensinamento doutrinário de um Papa anterior ou de um concílio anterior”, recordou.

“O Papa deseja que a Igreja veja essa realidade e analise como poderá fazer o atendimento pastoral dessas pessoas, de modo a ajudá-las”, concluiu o Prof. Felipe.