Movimento quer ainda «valorizar a família em todas as suas dimensões»

 

Vila de Rei, Viseu, 13 jul 2015 (Ecclesia) – O Conselho Nacional da Ação Católica Rural (ACR) reuniu-se entre sábado e domingo para projetar o plano de ação para 2015/2016, centrado na nova encíclica do Papa ‘Laudato si’, dedicada à ‘ecologia integral’.

Num comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA, a ACR informa que propõe às dioceses um programa assente em quatro pontos: “Estudar e divulgar a encíclica ‘Laudato Si’ promovendo o cuidado pela nossa casa comum; valorizar a família em todas as suas dimensões social, espiritual e económica”.

O presidente da Comissão Episcopal do Laicado e Família (CELF), D. Antonino Dias, esteve presente no encontro e convidou a ACR a gerar uma “empatia cativadora” para servir de suporte à nossa ação evangelizadora.

“Esta presença foi um sinal da comunhão eclesial que valorizamos na vida do movimento”, observa o comunicado.

A Ação Católica Rural pretende estar em sintonia com a Igreja, vivendo o Ano da Misericórdia que entende ser uma “ocasião especial” para sair ao encontro “dos irmãos das periferias” e anunciar a “misericórdia de Deus com palavras e ações”,

A quarta recomendação é articular a campanha nacional da ACR com os “planos pastorais específicos de cada Igreja particular”.

“Foi reafirmada a determinação do Movimento na sua renovação e revitalização através da criação de novos grupos de crianças e adolescentes e pelo prosseguimento da sua Missão Eclesial e Social, deixando a dinâmica da obrigação e cultivando a dinâmica do fascínio”, desenvolve o Conselho Nacional.

Neste contexto foram apresentadas propostas de manuais de animadores de grupos infantis e de adolescentes/jovens que vão estar disponíveis no início do próximo ano pastoral.

A revista da Ação Católica Rural – Mundo Rural – foi “reassumida” como um órgão integrante e “fundamental” do trabalho do Movimento para “formar” os seus membros e dar a conhecer a sua ação e missão.

Desta forma, a ACR reafirma a vontade em fazer crescer o Movimento em cada uma das dioceses e reafirma o propósito de “semear, cuidar e partilhar” uma vez que o futuro é quando quiserem: “É agora!”

Na reunião foram também avaliadas como “muito positivas” as atividades realizadas pela equipa nacional e reafirmou-se a importância de um maior empenho na participação dos militantes nestas atividades e recomendou-se o “desdobramento das mesmas a nível diocesano”.

No Conselho Nacional estiveram os representantes de 14 dioceses portuguesas onde a ACR está implantada – Aveiro; Braga; Coimbra; Funchal; Guarda; Lamego; Leiria-Fátima; Lisboa; Portalegre-Castelo Branco; Porto; Santarém; Viana do Castelo; Vila Real e Viseu – bem como a equipa nacional e o respetivo assistente.

Agência Ecclesia