Bispos propõem caminhada de Advento sobre o tema da «alegria em dar(-se)»

 

Porto, 04 nov 2015 (Ecclesia) – A Diocese do Porto lançou um guia para ajudar as famílias a preparar o Natal, durante o tempo litúrgico do Advento, com uma proposta semanal para celebrar o nascimento de Jesus que vai da ecologia à solidariedade.

“A Caminhada que propomos não se destina apenas ao percurso catequético, aos grupos de jovens, ou às celebrações dominicais mas a toda a Comunidade e a cada Família. Dirige-se a toda a diocese e a cada um dos diocesanos do Porto”, explicam os bispos da diocese.

“A todos deve envolver, integrar, acolher e mobilizar”, realça D. António Francisco dos Santos, bispo do Porto, e os seus auxiliares D. António Taipa, D. João Lavrador (nomeado bispo coadjutor da Diocese de Angra) e D. Pio Alves.

A proposta de caminhada de Advento, publicada no sítio online da Diocese do Porto, pretende ajudar as famílias e as comunidades a quatro realidades concretas: “descobrir a condição alegre e feliz” da identidade cristã” e ser uma Igreja “decidida a construir a fraternidade, mediante a partilha de dons, com uma atenção privilegiada aos mais pobres e frágeis da sociedade”.

A Igreja do Porto é incentivada também a “promover uma educação ecológica, uma cultura de respeito pelos bens da Criação” e a “traduzir nos sentimentos, nos gestos e nas atitudes” o “rosto” acolhedor e missionário desta Igreja.

O sentido da caminhada é “do cabaz à manjedoura” tendo como símbolo o “cabaz de Natal” que “faz parte das tradições natalícias” e é um símbolo da partilha e da “onda de solidariedade” que este acontecimento “desperta nos crentes e em todos os homens e mulheres de boa vontade”.

“Enchamos em cada semana o ‘cesto’ dos nossos dons para que eles se transformem em ‘cabaz’ de generosidade, em ‘manjedoura’ que acolhe e abriga a vida e em “sinal vivo” da misericórdia e da salvação de Deus para todos”, incentivam os prelados.

Neste contexto, em cada Domingo do Advento até ao Batismo do Jesus há palavras-chave, a partir da Liturgia da Palavra, que expressar-se-ão com um gesto simbólico e proporá um desafio concreto que “é o imperativo, que leva à concretização da palavra”.

O guião proposto apresenta algumas sugestões “apenas como um subsídio, sujeito à criatividade” e as respetivas palavras-chave: “Caridade; Confiança; Bondade; Acolhimento; Alegria; Família; Presença e Porta”.

Na apresentação deste percurso os bispos diocesanos destacam ainda que o Natal possui o “fascínio” e tem a missão de fazer concretizar o sonho de Deus para a Humanidade, por isso, não se pode “guardar a Alegria do Evangelho do Natal”.

“Somos convidados a preparar com todos os vizinhos ou os estranhos, os “caminhos do Senhor” e a acolher o mistério do Natal no presépio do coração humano”, incentivam.

A Caminhada de Advento 2015 é guiada pelo lema do atual Ano Pastoral: “A Alegria do Evangelho é a nossa missão: felizes os misericordiosos”.

A Diocese do Porto contextualiza que a caminhada do Advento é “inspirada no sonho e alicerçada na vontade” escrita no Plano Diocesano de Pastoral 2015-2020: “Queremos uma Igreja que faça experiência da misericórdia de Deus e que a traduza em toda a sua vida”.

Agência Ecclesia