Por Cláudia Brito de Albuquerque e Sá

 

PETRÓPOLIS, 25 Nov. 14 / 06:22 pm (ACI).- “O Método de Ovulação Billings busca resgatar nos casais a fertilidade como dom, como presente de Deus”, afirmou a vice-presidente da Confederação Nacional de Planejamento Natural da Família (Cenplafam), Heloisa Pereira, durante o I Congresso Regional de Planejamento Natural da Família e o Método de Ovulação Billings, realizado nos dias 22 e 23 de outubro, na Diocese de Petrópolis, Região Serrana do Rio de Janeiro.

A palestra tema do Congresso “Família, torna-te aquilo que és (João Paulo II)” foi ministrada pelo professor Felipe Aquino, que é apresentador de programas católicos de TV e Rádio.

Segundo Heloisa, que também é presidente da Organização do Método de Ovulação Billings – Latino Americana, o método se baseia na auto observação que a mulher faz para perceber a própria fertilidade através dos sinais dados pelo seu corpo no período de sua vida reprodutiva. O método de planejamento familiar pode ser utilizado tanto para engravidar, quanto para espaçar a gestação.

“Além da observação diária é preciso ter um gráfico de anotação que deve ser feito em conjunto pelo casal. Orientamos que o homem escreva para que possa se inteirar das observações feitas pela mulher”, informou.

Ela reforçou que é importante fazer um acompanhamento com um instrutor qualificado, especialmente no início da utilização do método, para adquirir segurança.

“A partir do momento em que ela aprender, poderá ser independente, e em caso de dúvida, terá uma pessoa para buscar auxílio. Caso não exista uma instrutora na cidade da pessoa, é possível buscar orientação pela internet, pelo skype, pelo whatsapp, ou seja, sempre haverá uma pessoa disponível para ajudar”, garantiu Heloisa.

A enfermeira ressaltou que o método é muito simples.

“A maior dificuldade do método é aceitar e entender a simplicidade dele. É só observar. Nós ensinamos o método para todas as pessoas, independente de religião, partindo da premissa de que nós somos criados à imagem e semelhança de Deus, e toda pessoa é digna de aprender a reconhecer o funcionamento do seu próprio corpo e a sua fertilidade”, garantiu.