NAIROBI, 26 Nov. 15 / 10:30 am (ACI).- O Papa Francisco expressou na manhã de hoje em Nairóbi a necessidade de resistir ao egoísmo que criou “novos desertos” que nos levam pela cultura do materialismo e da indiferença. Também explicou que as famílias cristãs têm a missão de irradiar o amor de Deus e resistir “a práticas que favorecem a arrogância nos homens, ferem ou desprezam as mulheres e ameaçam a vida dos inocentes nascituros”.

 

Os cantos típicos e a chuva caracterizaram a Santa Missa que foi presidida pelo Santo Padre no Campus da Universidade de Nairóbi. Durante sua homilia, destacou que “as famílias cristãs têm esta missão especial: irradiar o amor de Deus e difundir a água vivificante do seu Espírito. Isto é particularmente importante hoje, porque assistimos ao crescimento de novos desertos criados por uma cultura de materialismo e indiferença para com os outros”.

“A sociedade queniana tem sido ‘longamente abençoada’ com uma vida familiar sólida, com o respeito pela sabedoria dos idosos e o amor pelas crianças. A saúde de qualquer sociedade depende da saúde das famílias”, sublinhou.

“Para nosso próprio bem e para bem da sociedade, a nossa fé na Palavra de Deus chama-nos a sustentar a missão das famílias na sociedade, a acolher as crianças como uma bênção para o nosso mundo, e a defender a dignidade de cada homem e mulher, pois somos todos irmãos e irmãs na única família humana”.

Em seguida, o Pontífice explicou que Deus nos faz outras promessas: “Como Bom Pastor, que nos guia pelos caminhos da vida, Ele nos promete habitar em sua casa por anos sem término”. “No Batismo, Ele nos conduz para fontes tranquilas e reaviva nossa alma. Na Crisma nos unge com o óleo da alegria espiritual e da fortaleza. E na Eucaristia nos prepara uma mesa, a mesa de seu próprio corpo e sangue, para a salvação do mundo”.

“Necessitamos estes dons da graça. Nosso mundo precisa deles” porque “fortalecem nossa fidelidade em meio das adversidades, quando parece que estamos caminhando pelo vale das sombras da morte”. Mas “também mudam nossos corações”, pois “nos ajudam a ser fiéis discípulos do divino Mestre, vasos de misericórdia e de amorosa ternura em um mundo cheio de egoísmo, de pecado e de divisão”.

O Santo Padre assinalou que estes dons devem ser compartilhados especialmente com os jovens, pois “são o futuro da sociedade”.

“Que os grandes valores da tradição africana, a sabedoria e a verdade da Palavra de Deus e o idealismo generoso dos jovens os guiem no compromisso de formar uma sociedade cada vez mais justa, inclusiva e respeitadora da dignidade humana. Tende sempre a peito as necessidades dos pobres e rejeitai tudo aquilo que leva ao preconceito e à discriminação, porque essas coisas – como sabemos – não são de Deus”, exortou o Pontífice.

Antes de finalizar, o Papa Francisco afirmou que o Senhor dá a cada um de nós a missão de evangelizar e pregar a Boa Notícia. “Deseja que sejamos discípulos missionários, homens e mulheres que irradiem a verdade, a beleza e a força do Evangelho, que transforma a vida”.

“Estejam firmes na fé. Não tenham medo, porque vocês pertencem ao Senhor”. Mungu awabariki! Mungu abariki Kenya!” , que quer dizer: “Deus vos abençoe! Deus abençoe o Quênia! ”, disse ao concluir.