Os jovens protagonistas da missão

Um artigo do Pe. João Chagas sobre a celebração da JMJ nas Igrejas locais

Foi no dia 19 de novembro de 2020, solenidade de Cristo Rei, que o Santo Padre anunciou que, a partir de 2021, a celebração diocesana da JMJ não seria mais celebrada no Domingo de Ramos, mas na solenidade de Cristo Rei. “Queridos jovens, gritai, com a vossa vida que Cristo vive, que Cristo reina, que Cristo é o Senhor! Se vos calardes, garanto-vos que gritarão as pedras!” (cf. Lc 19, 40), disse-lhes ao final daquela celebração eucarística.

Em 2021, o Dicastério para os Leigos, Família e Vida – que promove a JMJ – publicou as Orientações pastorais para a celebração da JMJ nas Igrejas particulares(cfwww.laityfamilylife.va) com o objetivo de “encorajar as Igrejas particulares a valorizar sempre mais a celebração diocesana da JMJ e a considerá-la uma ocasião propícia para programar e realizar com criatividade iniciativas das quais emerja que a Igreja considera a própria missão com os jovens ‘uma prioridade pastoral decisiva na qual deve investir tempo, energias e recursos’ (Documento final do Sínodo 2018, 119). É necessário fazem com que as jovens gerações percebam que estão no centro da atenção e da solicitude pastoral da Igreja. Os jovens, de fato, querem ser envolvidos e valorizados, para sentir-se coprotagonistas da vida e da missão da Igreja” (Ibidem).

No dia 21 de novembro de 2021, numa Basílica de São Pedro abarrotada de jovens, o Santo Padre celebrou pela primeira vez a JMJ diocesana na sua nova data. Para a edição deste ano, a Diocese de Roma tem programada uma vigília de oração no Santuário Mariano do Divino Amor, justamente para se reconectar com o tema mariano da JMJ 2022–2023: “Maria levantou-se e partiu apressadamente” (Lc 1, 39). De fato, lemos na Mensagem do Santo Padre aos jovens para esta ocasião: “Depois da Anunciação, Maria teria podido concentrar-se em si mesma, nas preocupações e temores derivados da sua nova condição; mas não! […] Levanta-se e põe-se em movimento, porque tem a certeza de que os planos de Deus são o melhor projeto possível para a sua vida. Maria torna-se templo de Deus, imagem da Igreja em caminho, a Igreja que sai e se coloca ao serviço, a Igreja portadora da Boa Nova.”

No projeto pastoral sugerido pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, há um forte estímulo para que os jovens se engajem no serviço aos mais pobres. Com efeito, a Igreja celebra o Dia Mundial dos Pobres exatamente no domingo que antecede Cristo Rei. Nas Orientações pastorais, lemos que a JMJ local é uma excelente ocasião “promover iniciativas nas quais os jovens doam seu tempo, sua força aos mais pobres, aos marginalizados, àqueles que são descartados pela sociedade. Desta forma, é oferecida aos jovens a possibilidade de se tornarem ‘protagonistas da revolução da caridade e do serviço, capazes de resistir às patologias do individualismo consumista e superficial’.”

Precisamente neste sentido, os jovens do Centro Internacional Juvenil São Lourenço – ligado ao nosso Dicastério – convidou os mais pobres e marginalizados para um momento de convivência e oração no sábado, 12 de novembro. Também a Caritas Internacional propôs uma importante iniciativa que vincula a Jornada dos Pobres à da Juventude: um programa de uma semana marcado por orações, reflexões e ações, tendo os jovens como protagonistas. Entre as diversas propostas, mencionamos a oração online do Santo Rosário, com um convite ao engajamento concreto.

O apelo do Santo Padre a celebrar os jovens repercutiu também nas outras Igrejas particulares. Na Polônia, onde aconteceu recentemente o Fórum Nacional da Pastoral Juvenil, muitas dioceses organizam encontros locais com os jovens em Cristo Rei, em comunhão com a Igreja universal.

Também Lisboa, sede da JMJ internacional de agosto de 2023, oferece, no fim de semana de 19 e 20 de novembro, uma série de atividades para os jovens, uma oportunidade para fazê-los viverem uma forte experiência de oração, comunhão e missão.

Atestando o vínculo inseparável entre a JMJ local e a sua edição internacional, no dia de Cristo Rei, a Federação das Conferências Episcopais da Ásia convida todos os jovens do continente a participar do Asian Youth Gathering.O encontro, concebido pelos organizadores como um passo rumo à JMJ Lisboa 2023, decorrerá em modo virtual. E para a ocasião, a Santa Missa será celebrada na Catedral do Bom Pastor de Singapura e retransmitida ao vivo para todos os participantes.

A Igreja do Brasil, por sua vez, preferiu antecipar-se, e celebrou no dia 6 de novembro, como manda a tradição, o Dia Nacional da Juventude (DNJ). O evento contou com propostas pastorais, missões e celebrações litúrgicas, e atraiu milhares de jovens em todo o grande país sul-americano.

Do outro lado do Atlântico, a Igreja da África do Sul perpara-se para comemorar a Interdiocesan Youth and Young Adults Conference – a primeira desde o início da pandemia – para refletir juntos sobre a participação das novas gerações na vida e na missão da Igreja. O encontro acontecerá na primeira quinzena de dezembro na arquidiocese de Bloemfontein.

Portanto, como se depreende destes poucos dentre numerosos testemunhos recolhidos, as datas dos acontecimentos nacionais podem não coincidir com a solenidade de Cristo Rei; as modalidades das iniciativas podem variar, mas todas querem ser a expressão da caridade pastoral da Igreja para com as novas gerações. A partir daí, renovamos o nosso convite a todas as dioceses e eparquias para que manifestem este mesmo amor pelos jovens por ocasião de Cristo Rei, mesmo que apenas através de orações e campanhas de comunicação. E para criar uma rede de testemunhos e promover a comunhão espiritual entre os jovens, o Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, a Caritas Internacional e o Comité Organizador Local da JMJ Lisboa 2023 lançam a hashtag #AriseandGo e um vídeo promocional (disponível em www.laityfamilylife.va) que retomam o tema da Mensagem do Papa Francisco para a Jornada Mundial da Juventude 2022–2023: “Maria levantou-se e partiu apressadamente” (Lc 1, 39).

Pe. João Chagas, responsável pelo Setor Juventude do Dicastério para Leigos, a Família e a Vida

Artigo original em italiano, © L’Osservatore romano, 18-11-2022

plugins premium WordPress