Seminário Novas escravidões: o tráfico de crianças hoje acontece nesta quarta-feira em Barcelona

MADRI, 29 de Abril de 2015 (Zenit.org) – Acontece nesta quarta-feira em Barcelona o seminário “Novas escravidões: o tráfico de crianças hoje”, com a presença de especialistas que, da ação policial até a atenção às vítimas e a reflexão jurídica e ética, “promovem uma proteção efetiva dos menores perante as poderosas máfias que se aproveitam deles”, informaram os organizadores em comunicado remetido a ZENIT.

Josep Maria Simón, vice-presidente da entidade organizadora, a fundação Casa de Misericórdia de Barcelona, recordou a “globalização da indiferença”, repetidamente denunciada pelo papa Francisco, diante da qual “o tráfico de crianças é um crime que exige respostas contundentes”. Simón apresentou esta jornada como “uma ocasião para sensibilizar políticos, forças de segurança, entidades defensoras dos direitos humanos e toda a sociedade catalã e espanhola para que enfrente e faça propostas efetivas a fim de erradicar este comércio ignominioso, inacreditável em pleno século XXI”.

A jornada se articula em torno a quatro mesas redondas. A primeira, “Direitos fundamentais e proteção das crianças”, abordará a promoção dos direitos fundamentais da infância e será dada por dom Ignacio Carrasco de Paula, presidente da Academia Pontifícia para a Vida. Contará também com o testemunho de Alicia Peressutti, fundadora da Vínculos em Rede, que falará das condições das crianças vulneráveis e de como reduzir riscos. Josep Masabeu, presidente da ONG Braval, abordará por que crianças já nascidas em países europeus rejeitam a sociedade que as acolheu e chegam a cometer atentados terroristas.

Na segunda mesa redonda, representantes dos corpos de segurança exporão o tema “Uma dura realidade: situações atuais da escravidão infantil: como acontece o tráfico de crianças em nosso entorno mais próximo, quem está por trás e como agem”. O professor Carlos Espaliu, especialista em Direito Internacional na UIC, exporá o marco jurídico das forças de segurança na luta contra as máfias que traficam pessoas e as dificuldades de levar essas organizações criminosas a julgamento.

A terceira mesa redonda tratará da “Resposta da sociedade à escravidão infantil”, com a presença de dom Marcelo Sánchez Sorondo, chanceler da Academia Pontifícia de Ciências Sociais e responsável por diversas iniciativas apoiadas pelo papa Francisco e voltadas a sensibilizar países e organizações internacionais para promoverem ações efetivas. Josep Miró i Ardèvol falará do diagnóstico desta situação e das medidas possíveis para vencê-la. Elena Nieto, chefe do Departamento de Estrangeiros de Barcelona, explicará a problemática do “Tratamento dos menores estrangeiros desacompanhados” que chegam à Espanha.

A jornada será fechada por dom Robert Oliver, secretário da Comissão Pontifícia para a Proteção dos Menores, que explicará o trabalho dessa comissão criada no ano passado pelo Santo Padre na “proteção dos menores diante das novas formas de exploração, como a prostituição forçada, a pornografia, o turismo sexual e o tráfico humano”. A comissão “propõe as iniciativas mais oportunas para proteger menores e adultos vulneráveis, como procedimentos específicos para promover a responsabilidade local nas Igrejas particulares de todo o mundo no tocante à defesa das crianças”.