Comitê italiano “Defendamos nossos Filhos” oferece às famílias um conjunto de conselhos práticos para proteger a liberdade de educação

Roma, 13 de Julho de 2015 (ZENIT.org)

Com a aprovação do projeto de lei “Boa Escola”, continua a aberta na Itália a polêmica sobre a interferência da ideologia de gênero na educação das crianças do país. Para garantir a liberdade de educação por parte das famílias, o Comitê civil “Defendamos nossos Filhos” lançou um manual com dicas práticas para os pais:

1. Todos os pais devem observar com grande atenção os programas de ensino adotados na escola do seu filho.

2. Os pais devem ler cuidadosamente o “Plano de Oferta Formativa” da escola, que deve enumerar com clareza todas as atividades de ensino que a escola pretende adotar.

3. Os pais devem declarar por escrito se autorizam ou não a participação dos filhos nas aulas extracurriculares, observando que existem dois “tipos” de aulas: a) as do currículo escolar obrigatório (por exemplo: matemática, ciências etc.); b) as extracurriculares, que são opcionais.

4. Quanto ao currículo obrigatório, os pais devem acompanhar de perto o ensino das ciências naturais, em especial no tocante ao corpo humano e às suas funções, incluindo a reprodutiva. Se o professor apresentar noções sobre sexualidade que entram em conflito com os valores morais e sociais de referência da família, os pais devem intervir com questionamentos pertinentes.

5. A ideologia de gênero faz parte hoje, na Itália, de “programas de educação da afetividade e da sexualidade”, bem como de iniciativas que visam combater o bullying e a discriminação de gênero. Trata-se de aulas extracurriculares e é especialmente a elas que os pais devem prestar grande atenção.

6. Os pais têm o direito de solicitar todos os esclarecimentos que desejarem, em todos os níveis da escola.

7. O artigo 30 da Constituição italiana e o artigo 26 da Declaração Universal dos Direitos Humanos consagram o direito dos pais à educação dos seus filhos: todos os pais têm grande poder de decisão. Sua possibilidade de intervenção, porém, torna-se muito mais forte e positiva se os pais se unirem numa associação credenciada. Quanto mais pais se associarem, maior será a sua força.

8. Os pais devem envolver-se diretamente na vida escolar dos filhos e tornar-se parte ativa dos conselhos escolares.