(artigo tirado do Cons. Pontifício para a Família – 1-10-14)

Entrevista com José Aste, o fundador mexicano do grupo “Avós para a família”, a experiência de apoio à terceira idade apresentada nos últimos dias em nosso site

 

O promotor da experiência

 Dr. José Aste Tonsmann, 83 anos. Oftalmologista, um nativo do Peru, desde 1978 reside no México. Doutor em Filosofia, com especialização em Engenharia de Sistemas e Pesquisa Operacional pela Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, em 1979, começou a estudar os olhos da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe com processamento de imagem digital. Sua a descoberta das representações de 13 pessoas impressas sobre a córnea da imagem que apareceu milagrosamente na tilma de São Juan Diego. Avô aposentado, hoje Dr. Aste está empenhado tanto no trabalho social como religioso. Ele tem quatro filhos e nove netos.

 

A entrevista 

1) Dr. Aste, pode nos dizer no que consistem os dois ramos, religioso e humano, que constituem a característica dessa preparação fornecida aos participantes do grupo “Avós para a família”?

Considerando as condições especiais que caracterizam a ancianidade podemos agrupá-los em dois tipos: físicas e espirituais. Este último normalmente surgem de um senso de preocupação para os idosos, quase sempre gerada pela solidão, onde se sente marginalizados e esquecidos pelos filhos, parentes e amigos; mas razões igualmente importantes para se sentir espiritualmente para baixo pode ser um sentimento de inutilidade e o de estar perto da morte.

 

Por outro lado, não podemos deixar de considerar a condição física especial daqueles que vivem neste momento da existência humana, marcada muito frequentemente pela progressiva deficiência, dores e doenças. Para responder adequadamente a essas condições particulares da terceira idade, o nosso grupo “Avós para a família ” segue um programa onde se desenvolve atividades, que poderíamos chamar de “preparação religiosa e humana.”

 

Sob o aspecto religioso em cada encontro procuramos reforçar o nosso amor e a nossa devoção ao Senhor Jesus pedindo continuamente para nos dar o dom da Sua Divina Presença: Isso permite não sentir-se mais sozinho, e de ser capaz de oferecer-lhe todas as nossas dores, pedindo-lhe para viver no serviço dos outros até o último momento de nossas vidas. Neste âmbito são muito importantes peregrinações e retiros, o que contribuirá, sem dúvida, para o fortalecimento de nossa fé.

 

Eu também acho que, a fim de concluir este ensinamento, que é investir totalmente a pessoa do idoso, é essencial fornecer-lhes ainda uma preparação sobre as mais recentes descobertas e teorias científicas sobre a criação do universo, a evolução humana, etc, de tal forma que são capazes de responder com argumentos válidos (especialmente aos netos e filhos) para o conhecimento pseudocientífico que hoje tão abundantes em nossa sociedade.

 

Outro compromisso que caracteriza a nossa preparação “humana” a pessoas idosas é o difundido no campo do conhecimento biológico, que está intimamente ligada com a ancianidade de aspectos como nutrição, cuidados médicos e conselhos para evitar problemas de saúde. Além disso, também ensiná-los a conviver e enfrentar todas as dificuldades relacionadas ao encontro com o outro.

 

 

2) Qual a importância da formação em tecnologia hoje para um avô?

Eu acredito positivo um ensinamento tecnológico de base por quatro razões: a primeira é que ele permite que aos avós grandes vantagens, especialmente em termos de comunicação e socialização, bem como na busca de informações; o conhecimento tecnológico permite mostrar-lhes que “nem tudo o que é novo é ruim” e que, usados corretamente, a tecnologia pode trazer melhorias significativas para toda a humanidade; O terceiro aspecto positivo é que, através de um curso deste tipo os idosos podem compreender a mentalidade de crianças, jovens e adultos, compartilhando um ambiente no qual estes últimos são muitas vezes imersos; quarto ponto, finalmente, é que, com as ferramentas tecnológicas avós podem mais facilmente se comunicar com jovens e adultos, permitindo as gerações futuras para melhor apreciar os seus conselhos e as suas experiências, o fruto de uma vida.

 

Ao formar os avós e os anciãos em tecnologia é fundamental, não procurar se aprofundar muito em conceitos, ficar muito tempo na teoria, porque, desta forma, promove uma forma de rejeição das noções; o tipo de instrução tecnologia deve ser utilitária: Ao invés de confundir os avós com um “manual de instruções” é aconselhável levá-los a usar o computador para que ele faça algum trabalho de interesse para eles (por exemplo, para gravar as suas memórias, ou encontrar uma receita, etc ..), mostrando-lhes como escrever praticamente, evidenciar um título, colocar as maiúsculas, inserir uma imagem, etc.

 

3) Na sua opinião, quais são os desafios que a modernidade vai lançar em breve aos avós? Quais são as estratégias para acolhe-las e superá-las?

Como idoso e como um avô, eu acredito que a modernidade está lançando principalmente dois tipos de desafios: o primeiro é a crescente atenção aos jovens e tudo o que é novo e rápido, por conceitos, agora largamente globalizados de “descartar” ou do ‘“usado e quebrado”, que estão produzindo ideias e políticas que são contundentes aos idosos, impedindo que possam” lembrar “as novas gerações os benefícios de forma de vida e de trabalho que, hoje, cada vez mais estão em falta e em vez disso deve ser recuperado e adaptado às condições atuais . Para evitar tal ofensiva, então eu acho que deve começar a ter eventos de massa de pessoas idosas e avós estão conscientes de si mesmos e positivamente ativos, capaz de produzir propostas e pontos de vista coordenados e consensuais, de modo a ser ouvidos pela sociedade e mais considerados na tomada de decisões, especialmente política.

 

Um segundo desafio é, então, representada pelos ataques que dia após dia são realizadas contra a família. O casamento é o objeto de desacredito pela cultura mundana e é provável que haverá sempre mais divórcios e menos “para sempre”. O papel dos avós, que durante o trabalho fora da casa dos pais substituí-los na educação dos seus netos, será sempre mais complicado, porque no futuro próximo é fácil prever um crescimento significativo de filhos, divorciados, mães solteiras e casais do mesmo sexo.

 

Creio portanto que, além de exigir da Igreja esforços sempre mais convencidos para ordenar alguns desvios, por meio de importantes instrumentos, como os Encontros Mundiais das Famílias, seja desejável desenvolver iniciativas semelhantes, e numerosas, mesmo em nível diocesano. Eu acho que, a realização do dia dedicado ao idoso, e, especialmente aos avós, possa ser de grande ajuda para superar em grande parte o declínio da família cristã.

 

4) Está satisfeito com o andamento do seu grupo de avós? Nos últimos anos tem encontrado algum ponto fraco? E se sim, como tentou remediar isso?

Penso que, na formação e coordenação de um grupo de pessoas com diferentes objetivos e características definidas, você nunca pode estar completamente satisfeito, e ainda mais se os participantes têm características especiais, como os avós. Os obstáculos diários em que mais facilmente nos encontramos são especialmente o procurar a participação do grupo todos os avós da paróquia, lembrando das reuniões e apoiá-los quando eles estão doentes, além de recuperação contínua de tempo e recursos para tornar mais visíveis os resultados de suas reuniões.

 

Também no que respeita à organização, um problema particular – resolvido com a substituição do comitê da direção – surgiu apenas uma vez, quando ele se esqueceu de manter viva e atual a ideia de que o grupo de avós nasceu para atender as exigências dos idosos para ser e sentir-se úteis, na vida de todos os dias, as lições geradas pelo entrelaçamento de suas experiências no diálogo. Além disso, é muito fácil obter e, aparentemente, dá aparentemente grandes resultados, o que é encontrado na maioria dos centros e grupos de terceira idade, onde a união de seus convidados se baseia em meros momentos agradáveis em passar juntos sem pedir-lhes diretamente de envolver-se, contribuindo para o enriquecimento da experiência de todos, que é reveladora e pessoal.

 

5) Já pensou sobre publicar – uma revista, um livro ou na internet – as experiências dos seus avós – talvez agrupados por tema – para que as famílias possam consultar para encontrar resposta aos seus problemas?

Eu acho que a internet é uma ótima maneira, sem incorrer em grandes despesas, para divulgar as experiências e os conselhos de um grupo de avós sobre os problemas que a família enfrenta hoje. Com isto em mente, há algum tempo atrás, eu lancei o blog laboratório, “Manutenção matrimonial” (http://mantematri.blogspot.mx), cujo objetivo é fazer tangíveis apenas um dos resultados imersos pelo grupo de avós: a importância de considerar o matrimônio na vida cotidiana.

 

Na verdade, a cada dia, os cônjuges devem enfrentar problemas, alegrias, dores, encontros e desencontros seja familiar como do casal. Neste caso, portanto, a oficina gratuita, apresentada na internet e desenvolvida com a minha esposa, propõe-se a fornecer aos casais a oportunidade de examinar o estado da sua relação conjugal, de tal forma a operar de vez em quando “ajustes” em vista uma união sempre mais profunda e responsável.

 

6) Quais são os planos futuros do seu ” Avós para a família”? Pensa, por exemplo, alargar a base desta experiência com outras paróquias ou grupos, tanto a nível nacional quanto internacionalmente?

Há algum tempo temos tentado espalhar os conceitos que estão na base da experiência ” Avós para a família”, e, em particular, a ideia para promover o ser e sentir-se útil dos participantes, e são agora diferentes os grupos de anciões que têm aceitado esta nossa visão e a praticam. Com o tempo, então, eu espero produzir uma espécie de “manual” para ajudar tanto a formação de novos grupos, como a sua coordenação.

Além disso, com o nosso cuidador, padre Daniel Garcia, estamos preparando uma Jornada para idosos e avós em nível paroquial, que, no entanto, pode adicionar as paróquias do decano da diocese de Cuernavaca. Esta primeira experiência de celebração dedicada a terceira idade, servirá como um evento piloto para uma jornada que pensamos em organizar no próximo ano, neste caso, a nível nacional, envolvendo todo o México (estamos falando há um tempo com a Universidade La Salle do México).

 

Como você pode ver na página wiki que está servindo para a programação e a atuação do projeto (http://jornadaancianosyabuelos.wikispaces.com), a Jornada para os avós organizada pela nossa paróquia, será dividido em três datas distintas (para facilitar acesso às pessoas idosas): a primeira parte, “Encontro com Deus para as pessoas idosas e avós”, será realizada quarta-feira, 3 de dezembro; o aspecto religioso espiritual próprio de terceira idade, ao contrário, será tratado na segunda rodada do programa, intitulado “A missão dos idosos”, que terá lugar durante a Quaresma no próximo ano. A terceira reunião vai concentrar-se em “Relação dos idosos com o mundo” e foi fixado para o dia de Páscoa de 2015.

 

 

7) Que conselho você daria para quem quiser empreender uma experiência criativa e a favor dos idosos como a sua?

Eu acho que é fundamental que as experiências que queiram inspirar-se pela nossa, sempre há um comitê gestor, que organiza e toma as decisões. Dito isso, você deve sempre tentar explorar as diferentes competências e habilidades dos membros da comissão. Lembre-se que cada pessoa tem sua própria missão na vida, juntamente com conhecimentos específicos sobre o mundo e orientá-las para o sucesso do grupo pode ser muito útil.

 

O comité também pode ter alguns jovens que entusiasticamente ajudam na formação e no bom funcionamento do grupo, mas as principais decisões devem ser tomadas preferencialmente pelos avós e pelos anciãos. Quero enfatizar que é muito difícil para os jovens a entender as nossas necessidades e nossa visão da vida.

 

Aconselho então de não ser muito exigente sobre as regras e a disciplina do grupo. A coisa mais importante é, de fato, participar e ser e sentir-se útil.

 

Também deve-se ter em mente que é preferível que os membros do grupo de participem das atividades por interesse próprio, e não por obrigação. Portanto, é necessário que a Comissão diretiva, que organiza o todo, torne o programa interessante e particularmente útil, tanto para os avós que para a sociedade.

 

Última recomendação, finalmente, é registrar, divulgando, os resultados e propostas feitas durante as sessões de grupo. Não se esqueça, de fato, que as experiências dos avós em comunhão pode ser muito útil para crianças, jovens e adultos de hoje.