“O governo venezuelano prefere que todos morram de fome antes que a Igreja dê um pedaço de Pão”, denuncia Pe. Santiago Martin, da Caritas

 


Publicado em um dos poucos jornais de oposição que resta na Venezuela (online), La Patilla, a denúncia do Pe. Santiago Martin, de Caritas.

“As autoridades políticas de Venezuela proibiram que a Caritas possa distribuir alimentos”, denunciou Pe. Santiago na análise editorial deMagnificat.tv “Há mulheres grávidas que ficam meses em fila esperando fraldas”; “As brigas por um pedaço de frango são diárias”, “Há povos totalmente sem luz”; “Pessoas morrem nos hospitais por uma simples infecção”.

Nesse contexto, afirmou o sacerdote, “Caritas se oferece a reunir alimentos e distribuir gratuitamente”, porém, se pergunta “Pode existir alguém tão insensível que prefira ver o seu povo morrer?” e se responde: “Sim, o governo da Venezuela”.

“É ódio à Igreja – afirma Pe. Santiago – um ódio tão forte que leva à loucura, que morram de fome antes que a Igreja os alimente, que morram de doença antes que a Igreja os cure”.

“Hoje quero pedir orações por Venezuela”, finaliza o sacerdote, “Aqui estamos diante de um país inteiro que prefere que todos morram de fome antes que a Igreja dê um pedaço de pão”.