Ketty Abaroa de Rezende e Pedro Jusseieu de Rezende são professores da Universidade Estatal de Campinas e colaboram com a pastoral familiar há anos

 

Roma, 08 de Outubro de 2015 (ZENIT.org) – Entre os casais que participam no Sínodo sobre a família como auditores, estão os brasileiros Ketty Abaroa de Rezende e Pedro Jusseieu de Rezende, ambos professores da Universidade Estadual de Campinas. Além de seu compromisso acadêmico, o casal trabalha com a pastoral familiar, acompanhando as famílias através de seminários e conferências. Em uma entrevistas com a Rádio Vaticano, Ketty e Pedro compartilharam o que significa para eles participar no Sínodo e o desafio da comunicação no matrimônio.

Para Ketty “é uma experiência extremamente enriquecedora, e mostra a colegialidade de todo o episcopado, a universalidade da nossa Igreja, e que nós podemos estar muito seguros. Estamos nas mãos do Papa, a doutrina não muda, mas mudam as formas de comunicar, de chegar às pessoas, chegar de uma forma mais efetiva, mais frutífera”, acrescentou. “O que a gente sente são exatamente as expressões do mundo inteiro, as formas em que as pessoas estão chegando às famílias, dentro das diferentes culturas. Então é muito enriquecedor e pedimos também a oração de todos no Brasil, para que o Espírito Santo seja realmente muito presente no coração e nas mentes de todos nós”, disse.

Pedro explicou que para participar da Assembleia sinodal “nós recebemos o convite através da Nunciatura”. E sobre a sua tarefa pastoral, disse que: “ministramos cursos, palestras, fazemos acompanhando de casais. É uma experiência acumulada de muitos anos e nós vemos os frutos disso em todas as partes onde já estivemos, em várias cidades do Brasil, e fora do Brasil: Montreal, Moscou, Estocolmo”. “E a experiência, como disse Ketty, é extremamente enriquecedora. O que se percebe é que a Igreja é tão rica, não existe divisão, há uma concordância de objetivos”. “Às vezes há algumas diferenças de visão, mas todas elas convergindo para que a família se fortaleça como resultado das recomendações que este Sínodo dará ao Santo Padre”, concluiu.