VATICANO, 08 Jun. 15 / 05:55 pm (ACI).- A beleza do matrimônio, sinal do amor do Pai com a humanidade está em perigo por causa da ideologia de gênero, advertiu hoje o Papa Francisco no seu encontro com os bispos de Porto Rico, ao recordar que “a complementariedade entre homem e mulher não são para a contraposição, mas para a comunhão e a geração sempre à imagem e semelhança de Deus”.

 

No discurso, o Santo Padre pediu aos bispos que consolidem a pastoral familiar e também tomem distância de toda “ideologização ou tendência política” e a não gastar energias em divisões e enfrentamentos, somente em construir e colaborar.

“Nesse bonito arquipélago caribenho foi fundada uma das três primeiras dioceses que se estabeleceram no continente americano. Desde estão, a sua história eclesial está entrelaçada pela fidelidade e tenacidade de muitos pastores, religiosos, missionários e leigos que souberam comunicar a alegria do anúncio de Cristo Salvador e em seu Nome criaram várias iniciativas em favor do bem comum, no campo litúrgico, social e educacional que marcaram profundamente a vida pública e particular do povo porto-riquenho”, disse o Papa aos bispos porto-riquenhos.

“Vocês são chamados, como arautos do Evangelho e guardiões da esperança de seu povo, a continuar escrevendo essa obra de Deus em suas Igrejas locais, animados pelo espírito de comunhão eclesial, fazendo com que a fé cresça e a luz da verdade brilhe também em nossos dias”, encorajou o Pontífice.

“A confiança recíproca e a comunicação sincera entre vocês ajudará o clero e os fiéis a verem a unidade autêntica tão querida por Cristo”, disse ainda Santo Padre.

A seguir o Pontífice afirmou: “Saibam se distanciar de ideologias ou tendências políticas que lhes fazem perder tempo e o verdadeiro ardor pelo Reino de Deus. AIgreja, em razão da sua missão, não está ligada a nenhum sistema político. Ela é sinal e salvaguarda do caráter transcendente da pessoa humana”.

O Santo Padre disse: “O bispo é modelo para os seus sacerdotes e os impulsiona a buscar sempre a renovação espiritual e a redescobrirem a alegria de apascentar seu rebanho dentro da grande família que é a Igreja. “Peço-lhes para que sejam acolhedores com eles, que se sintam ouvidos e guiados para que possam crescer na comunhão, santidade e sabedoria, e levar a todos os mistérios da salvação”.

Falando sobre o próximo Jubileu da Misericórdia recordou aos bispos que eles e os sacerdotes devem ser servidores fiéis do perdão de Deus, sobretudo no Sacramento da Reconciliação no qual se experimenta na própria carne o amor de Deus e se oferece a cada penitente a fonte da verdadeira paz interior.

“Para ter bons pastores é preciso cuidar da pastoral vocacional. Os seminários devem oferecer uma formação adequada aos candidatos ao sacerdócio”. “O seminário é a parcela que mais solicitude pede ao Bispo Pastor”, expressou o Papa.

Entre as iniciativas, o bispo de Roma destacou “a necessidade de consolidar cada vez mais a pastoral familiar, diante dos problemas sociais que afligem a família, como a difícil situação econômica, migração, violência doméstica, desemprego, narcotráfico e corrupção”.

 “São realidades que nos preocupam”. O Papa Francisco chamou a atenção dos bispos porto-riquenhos para o valor e a beleza do matrimônio.

“A complementaridade entre o homem e a mulher, vértice da criação divina, está sendo questionada pela ideologia do gênero, em prol de uma sociedade mais livre e mais justa. As diferenças entre homem e mulher não são para a contraposição ou subordinação, mas para a comunhão e geração, sempre à «imagem e semelhança» de Deus. Sem a mútua entrega, nenhum dos dois pode compreender-se em profundidade. O Sacramento do Matrimônio é sinal do amor de Deus pela humanidade e da entrega de Cristo por sua Esposa, a Igreja. Cuidem desse tesouro, um dos mais preciosos dos povos da América Latina e Caribe”.

O Papa Francisco concluiu: “Contem com minha oração, também pelos sacerdotes, consagrados e por todos os fiéis leigos desta querida terra porto-riquenha. Anunciem a todos, por favor, a minha saudação. Velem com zelo e paciência pela porção da vinha do Senhor que lhes foi encomendada e sigam adiante todos juntos. Encomendo a obra da evangelização em Porto Rico à Santíssima Virgem Maria, pedindo que não se esqueçam de rezar por mim, dou-lhes com afeto a Bênção Apostólica”.