Arcebispo de Calcutá: Madre Teresa “ajuda o diálogo na Índia, pois a sua obra beneficiou fiéis de todas as religiões e todos os homens, sem alguma distinção”

 

Redação | 21 de Dezembro | ZENIT.org | Igreja e Religião | Roma

“Estamos prestes a viver um Natal especial. Recebemos com imensa alegria o grande dom da notícia da canonização de Madre Teresa de Calcutá. Estamos profundamente gratos a Deus e ao Santo Padre Francisco. Na comunidade católica em Calcutá existe hoje uma atmosfera de grande entusiasmo”.

Com estas palavras, o Arcebispo de Calcutá arcebispo Thomas D’Souza comentou à Agência Fides, a notícia de que a Santa Sé reconheceu o milagre atribuído a Madre Teresa de Calcutá e dispôs a promulgação do decreto de canonização.

“Aguardamos este evento por muitos anos. Sentimos Madre Teresa como uma nossa santa. Madre Teresa santa é um dom para Calcutá, para a Igreja e para toda a Índia”, disse ele.

O Arcebispo de Calcutá disse ainda que “não poderia haver um momento melhor do que este Ano da Misericórdia: Madre Teresa foi a santa da misericórdia e da compaixão, que viveu plenamente todos os instantes de sua vida. Viveu a compaixão por cada homem, principalmente pelos doentes, os leprosos, os abandonados. Hoje, nos ensina a colocar a misericórdia no centro da ação de toda a Igreja. Nós nos sentimos fortemente inspirados nela e sua figura nos acompanhará por todo o Jubileu”.

Dom D’Souza acredita que Madre Teresa “santa apreciada e amada também por hindus e fiéis de outras religiões, possa ser “figura que une, que ajuda o diálogo na Índia, pois a sua obra beneficiou fiéis de todas as religiões e todos os homens, sem alguma distinção”.

Em 18 de dezembro, o arcebispo celebrou uma missa de ação de graças em Calcutá, na Casa Mãe das Missionárias da Caridade. “Agradecemos a Deus pela figura de Madre Teresa e pelo dom que fez à nossa Igreja. Somos gratos ao Papa Francisco, rezaremos para que o exemplo de Madre Teresa possa continuar a guiar o nosso caminho”, disse ele.

A cura extraordinária atribuída a Madre Teresa de Calcutá, remonta a 9 de dezembro de 2008 e refere-se a um homem quase no fim da vida devido a problemas cerebrais graves. Ela provavelmente será canonizada em 04 de setembro de 2016, aniversário de sua morte: a data será anunciada oficialmente no próximo Consistório.