Visita às instituições da Santa Sé inclui passagem pela Congregação da Educação Católica

 

Cidade do Vaticano, 08 set 2015 (Ecclesia) – O presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã disse hoje que em Portugal há “muitos sintomas” de que a catequese é entendida apenas como uma “aprendizagem da doutrina”.

Na apresentação do trabalho feito no setor, no âmbito da visita ‘ad Limina’, D. Manuel Pelino realçou, na Congregação para a Educação Católica (Santa Sé) que existe uma “preocupação” permanente nesta área e que os bispos pretendem “passar do modelo de escola ao modelo de iniciação ao mistério da fé”.

Apesar dos esforços feitos desde o II Concílio do Vaticano, o prelado de Santarém e presidente daquele organismo da Conferência Episcopal Portuguesa sublinha que este trabalho “demora décadas” até aparecerem os resultados.

No diálogo sobre as escolas universitárias, mas concretamente sobre os vários polos da Universidade Católica Portuguesa (UCP), a Congregação para a Educação Católica pediu aos bispos para chegarem a um entendimento, porque os centros “devem ter um corpo completo de docentes devidamente habilitados”, frisou.

O Papa Francisco disse esta segunda-feira aos bispos portugueses que os “catecismos eram bons” e “apresentam bem a figura de Cristo”, no entanto “falta o testemunho das comunidades”, observou D. Manuel Pelino.

Em relação à “debandada dos jovens”, de que o Papa falou, o presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã entende que isso acontece porque “lhes falta uma experiência interior, uma convicção e o gosto de viver a fé”, algo que vem do “encontro com o mistério de Deus e não apenas do conhecimento cognitivo”.

A visita ‘ad Limina’ da Conferência Episcopal Portuguesa iniciou-se esta segunda-feira com encontros dos bispos de Portugal com o Papa, em dois grupos, e prossegue esta semana, incluindo celebrações nas quatro basílicas papais, reuniões nos organismos da Cúria Romana e a participação na audiência geral desta quarta-feira.

Agência Ecclesia