slide1 slide2

Sínodo: Relatório final terá menção ao meio ambiente

2015-10-23 Rádio Vaticana - Cidade do Vaticano (RV) – Após as mais de mil emendas propostas ao Relatório Final do Sínodo sobre a Família, os padres sinodais se preparam para a aprovação do texto, ponto por ponto, neste sábado (24/10). Este documento conclusivo, que servirá como base para a eventual Exortação que o Papa deve escrever, trará as conclusões da Assembleia sobre os temas discutidos nas últimas três semanas. Com satisfação, Dom Sérgio Eduardo Castriani, arcebispo metropolitano de Manaus, adianta à RV: também haverá uma menção específica no Relatório Final do Sínodo sobre o meio ambiente. 

 

A beleza da família

“Em primeiro lugar, o Sínodo será um grande reforço da Pastoral Familiar. A Igreja proclama de novo a beleza do sacramento do matrimônio com tudo o que ela entende sobre o matrimônio: a abertura à vida, a fidelidade, a indissolubilidade: a própria celebração, a celebração do sacramento e o acompanhamento dos casais. Depois também a espiritualidade da família: a Palavra de Deus, a Eucaristia, e uma grande misericórdia. O Sínodo está sob o signo da misericórdia, a compreensão daqueles que não vivem o sacramento do matrimônio e das famílias que embora não tenham feito este sacramento, são famílias, como as mono-parentais e as de segunda união. Então devemos fazer todo o possível para integrá-los, para que sejam aceitos e bem-recebidos na Igreja, a fim de que vivam a comunhão eclesial”.

Abertura e acolhimento

“Haverá abertura para tudo o que é possível... abertura máxima e acolhimento total. Por exemplo, para que os divorciados e recasados possam participar da liturgia, dos conselhos paroquiais, das pastorais... há tanta coisa que pode ser feita. Em relação à comunhão sacramental, acho que isso toca pontos muito delicados... Quando há um vínculo sacramental, dificilmente se pode dissolver. Mas tivemos já a iniciativa do Papa de facilitar a declaração de nulidade... já um grande passo foi dado”.

Seriedade

“O que mais me marcou foi a grande seriedade do Sínodo. Os bispos discutiram a fundo as questões. Claro, fomos muito marcados pela situação de violência no mundo, no Oriente Médio, pela situação da cultura pós-moderna. Foi tudo visto com muita seriedade e muita abertura. Acho que os bispos são pastores, querem o rebanho reunido, acompanhado. Querem que as pessoas vivam felizes, realizadas. Outra questão muito importante foi a realização pessoal no matrimônio. A família é um lugar de realização pessoal, de felicidade, aonde a pessoa se realiza. O Sínodo é uma tentativa de propiciar isso: achar caminhos para que as pessoas se realizem na vida familiar, para que a vida familiar seja este ‘porto seguro’ para onde voltar, depois do trabalho, das dificuldades. A palavra é essa mesmo. É importante ter isso; quem não tem sabe o que significa não ter este ‘porto seguro’”.

Amazônia

“No texto, consta – não posso dar os detalhes – a questão do meio ambiente. Apareceu no texto final um número que fala da família e do meio ambiente, uma questão importante também para nós na Amazônia, em especial. A família como educadora da fé e do cuidado da Criação. Na família aprendemos a cuidar da criação, dos outros; a ter uma vida sóbria, de partilha e de justiça. Fiquei muito feliz em ver no texto final aparecer isto. Espero que seja votado por unanimidade”.

(CM)

(from Vatican Radio)