slide1 slide2

Portugal: «O imposto é uma obrigação moral e fugir-lhe é pecado» - D. Manuel Linda

Ministro das Finanças entrega hoje Orçamento de Estado na Assembleia da República

 

Lisboa, 14 out 20156 (Ecclesia) – D. Manuel Linda, que participou na revisão científica do primeiro Compêndio da Doutrina Social da Igreja, afirmou que a “única forma” de “alguma justiça social” é a participação dos cidadãos nos impostos que permitem a garantia do Estado Social.

“Nós dizemos com muito afinco que o imposto é uma obrigação moral e fugir-lhe é pecado”, disse à Agência ECCLESIA o bispo das Forças Armadas e de Segurança.

O Conselho de Ministros português aprovou esta quinta-feira a proposta de Orçamento do Estado para 2017, após dez horas de reunião, e o documento vai ser entregue hoje, às 17h00, na Assembleia da República pelo ministro das Finanças, Mário Centeno.

O bispo das Forças Armadas e Segurança assinala que os cidadãos contribuem para os impostos com a quota-parte que lhes está distribuída “em função dos próprios rendimentos que possuem ou da riqueza acumulada” que vai para o Orçamento Geral do Estado de onde depois “esse mesmo Estado, que é sociedade organizada, retira para as várias funções sociais”, como educação, saúde, cultura, desporto, rede viária, a obras pública.

D. Manuel Linda assinala que “o imposto não é por si sinal de igualdade social”, porque depois é preciso fazer a sua distribuição e aplicação.

“O Estado não é exemplo na forma de distribuir os impostos, melhor, o resultado que seria o bem conseguido através dos impostos, não é exemplo nenhum”, explicou.

Segundo o entrevistado, a população critica a forma de “aplicar os dinheiros” e deu como exemplo o ensino estatal e o ensino privado.

“O ensino estatal fica muito mais caro e em linha de princípio não é tão bom como aquele que é de iniciativa privada. Vamos buscar os impostos ao bolso dos contribuintes, que têm de pagar com algum sacrifício, particularmente quem menos tem, e depois se não forem bem aplicados, logicamente, estamos em presença de um problema moral”, desenvolveu D. Manuel Linda.

Agência Ecclesia