slide1 slide2

Família ou a arte dos equilíbrios

Dia da Família - 15.MAIO.2014 - Mensagem APFN

Claro que a família só podia estar a atravessar uma profunda crise neste nosso mundo ocidental ávido de controlo, utilitário e politicamente correto. 


Embarcar numa coisa dessas é, em boa verdade, uma completa insanidade. Para começar, confiar noutra pessoa e entregar-se a ela totalmente. Confiar? Que grande burrice. Entregar-se? Só com muitas seguranças a toda a volta, e mesmo assim com grandes reservas. Filhos? Sabemos lá o que vem por aí… Choros, birras, fraldas? Horas de mamada? Que prisão! 
Dois filhos? Ai, isso é a duplicação daquele esforço que nem é bom lembrar… Mais uma cadeirinha, mais choros e birras e noites sem dormir, e fraldas e dentes a romper do mais velho, que grande barafunda… 
Três? Uiii, uiii, a avó torce o nariz, “eles é que sabem”, em tom reprovador, “que isto da vida não está para filhos…” Aí o caldo já se entornou completamente. Ao terceiro já ninguém liga, “eles são doidos, vivam lá com a doidice deles”… 
Quarto. Bom, a partir daqui está declarada publicamente a loucura daquela malta. Passam a sofrer externamente do preconceito “de quem não sabe o que anda a fazer na vida, coitados…” E aí por diante. “Quantos são eles? Nem sei…” 
Dentro daquelas portas, aparentemente nenhuma peça do puzzle encaixa. Mas o certo é que há puzzle. Ninguém é o centro, o centro está sempre fora, num qualquer “outro”: nos dilúvios da adolescente, nas travessuras do terceiro, na timidez do do meio, nas preocupações dos testes, nas saídas do mais velho, sei lá em quantas coisas mais. 
Chegar a casa e calçar as pantufas é fantasia. Os dias estão cheios de heroicidades banais, como adiar a palermice de ficar a olhar para a televisão sem a ver para ir mandar umas boladas com os filhos, ou apenas estudar com eles, ou fazer umas criações culinárias. 
A família leva-nos a alma, mas só aí ficamos maiores. Ter família é dizer adeus à rotina confortável, às previsões, à ilusão da perfeição – porque o amor mostra-nos que nunca damos o suficiente, nunca estamos suficientemente à altura, nunca somos suficientemente amantes. 
Muitos se perguntarão: “Mas por que é que eles têm filhos?” As respostas podem ser inúmeras, mas em todas elas deve haver essa lógica invertida da realidade, como o barco do “Pirata das Caraíbas” que se vira e encontra um mundo novo. É ter um eixo que não é substituível, é ter o coração cheio do único que é preciso, é viver de amor. 

Por isso e por muito mais, parabéns a todas, queridas Famílias! 

Texto: Dina Matos Ferreira 
Foto: Família Mizinha e Manel Líbano Monteiro (fotografia vencedora do concurso "Grandes Famílias, Grandes Momentos")

 

Lisboa, 15 de Maio de 2014 
 


APFN - Associação Portuguesa de Famílias Numerosas   
Rua José Calheiros, 15   
1400-229 Lisboa   
Tel: 217 552 603 - 919 259 666 - 917 219 197 
Fax: 217 552 604   
 

Para saber mais:

 

Se tem 3 ou mais filhos, concorda com os nossos Estatutos e deseja ser sócio,  

pode inscrever-se pela internet.